X

Djokovic segue retido no aeroporto e há possibilidade de ser deportado

Quarta, 05 de janeiro 2022 às 10:19:40 AMT

Link Curto:

Tênis Profissional

Atualizado às 17h20 - Novak Djokovic segue retido em aeroporto em Melbourne na Austrália prestando depoimento após ter seus documentos de isenção médica e visto de entrada questionado pelas autoridades locais.



Leia Mais:

Djokovic vira piada na internet após ser retido no aeroporto

Toni Nadal pede explicações a Djokovic

Não fizemos nenhum favor a Djokovic, diz torneio

Djokovic poderia ter sido contaminado por COVID nos últimos meses

O tenista nº 1 do mundo, que recebeu isenção para jogar o Aberto da Austrália deste mês, desembarcou em Tullamarine, em Melbourne, por volta das 23h30 de quarta-feira e até o momento, 7h20 no horário australiano, ele segue sendo interrogado e vigiado por policiais locais. 

Jornalistas indicam que as embaixadas da Austrália e da Sérvia entraram no caso e uma resolução deve ser tomada em poucas horas com uma significativa possibilidade do tenista ser deportado. A organização do torneio disponibilizou um carro para levá-lo ao torneio caso seja liberado. Nole ficou várias horas na madrugada sem seu telefone celular e sem acesso à sua equipe e isolado em uma sala.

Como começou o caso no fim da noite

No entanto, no início da noite, a Força de Fronteira federal contatou o governo estadual depois de perceber que a equipe de Djokovic havia apresentado o tipo errado de visto e ele estava sendo interrogado no aeroporto até pelo menos 1h15 da madrugada no horário local, 11h15 de Brasília desta quarta.

Uma fonte do governo federal familiarizada com o episódio disse que havia dúvidas sobre se Djokovic tinha documentação adequada para provar o motivo de sua isenção. Esta evidência deve ser apresentada na fronteira por pessoas não vacinadas.

A fonte disse que não estava claro se uma infecção por COVID-19 nos últimos seis meses - que se suspeita ser a justificativa para a isenção do jogador - foi suficiente para garantir a entrada na Austrália de acordo com as diretrizes federais.

Em uma edição separada que complicou sua chegada, uma fonte do governo de Victoria afirmou que oficiais da Força de Fronteira Australiana contataram o governo estadual horas antes de Djokovic desembarcar. O vencedor de 20 Grand Slams stava tentando entrar no país com um visto que não permitia isenções médicas por não ser vacinado, disse uma fonte informada sobre o assunto aos jornais The Age and The Herald. A fonte federal contestou que houvesse algum problema com a classificação do visto.


Como resultado, a Força de Fronteira buscou o apoio do governo de Victoria para facilitar a entrada de Djokovic. A agência federal pediu o apoio do governo de Andrews porque Victoria faz parceria com a Tennis Australia para organizar Australian Open ao qual pertence o visto de Djokovic.

As autoridades vitorianas pediram às autoridades federais que colocassem seu pedido por escrito e, eventualmente, rejeitaram o pedido para patrocinar o visto de Djokovic, de acordo com a fonte vitoriana.

A decisão de não fazer isso reflete a raiva contra Djokovic entre os ministros e altos funcionários de Victoria. Ele também destaca a sensibilidade deles por serem vistos ajudando Djokovic a jogar no Open, apesar de seu ceticismo declarado em relação à vacina e da não divulgação do motivo de sua isenção.

Os oficiais da Força de Fronteira podem permitir que Djokovic entre no país, apesar da mudança do governo de Victoria.

O ministro em exercício dos esportes, Jaala Pulford, enviou um tweet noturno confirmando que o governo de Victoria não apoiaria o pedido de visto de Djokovic.

“O governo federal perguntou se apoiaremos o pedido de visto de Novak Djokovic para entrar na Austrália. Não forneceremos a Novak Djokovic apoio individual para a solicitação de visto para participar do Grand Slam do Aberto da Austrália de 2022 ”, dizia o tweet.

A Sra. Pulford continuou, dizendo: “Sempre fomos claros em dois pontos: a aprovação de vistos é uma questão do governo federal e as isenções médicas são uma questão dos médicos”.


A ministra de Assuntos Internos, Karen Andrews, disse na quarta-feira em um comunicado que “qualquer indivíduo que pretenda entrar na Austrália deve cumprir nossos rígidos requisitos de fronteira”.

“Embora o governo de Victoria e a Tennis Australia possam permitir que um jogador não vacinado participe do Aberto da Austrália, é o governo da Commonwealth que fará cumprir nossas exigências na fronteira australiana”, disse ela.

Também na quarta-feira, o governo vitoriano e a Tennis Australia disseram a Djokovic para explicar ao público por que ele recebeu uma isenção médica para entrar no país sem provar seu status de vacinação.

banner
banner