X

Toni Nadal: 'Nada e nem ninguém pode manchar a carreira de Federer'

Sexta, 09 de julho 2021 às 12:42:04 AMT

Link Curto:

Tênis Profissional

Em sua coluna no jornal espanhol El País, Toni Nadal, que treinou seu sobrinho Rafael Nadal até o fim de 2017, exaltou a carreira de Roger Federer e afirmou que nada pode manchar a carreira do suíço que transcende tudo.



Leia Mais:

Chama não apagou, diz técnico próximo a Federer

 

"É claro que para Roger e Rafael, suas respectivas derrotas em Wimbledon e Roland Garros são um pouco mais angustiantes do que em qualquer outro cenário. E daí o tom dos suíços na coletiva de imprensa que se seguiu à partida contra o polonês Hubert Hurkacz, que não só o eliminou do Grand Slam britânico, mas também o fez com um resultado retumbante", começou Toni em sua coluna.

 

 

 

"Quando questionado por jornalistas se aquela foi sua última partida na grama em Londres, Federer não esclareceu as incógnitas. Ele expressou sua necessidade de valorizar e pensar, e acho que se saiu bem. Quem está no mundo do tênis já percebeu isso, não só pelos 40 anos que o suíço fará no dia 8 de agosto, mas sobretudo pela insuficiente preparação que conseguiu fazer no último ano após sua longa contusão. Seria difícil para ele enfrentar um adversário duro".

Toni deu a receita de como poderia ser a aposentadoria de Roger: "Acredito que ele, assim como Novak e Rafael, decidam se aposentar no dia em que sentirem que não têm chance de vitória. E quando Roger decidir que esse dia chegou, espero que ele o faça se despedindo um a um e, pelo menos, dos quatro Grand Slams. Ele e seus milhões de seguidores merecem mais um encontro no qual possam dedicar a ovação e homenagem a ele por tudo o que ele significou para o nosso esporte. Ninguém como ele foi capaz de combinar plasticidade e elegância no toque da bola e nos movimentos em quadra com uma eficiência e brilho difíceis de igualar."

"Por tudo isso e muito mais, Federer transcendeu sua própria disciplina. Ele é um ícone do esporte, não apenas do tênis, que soube extrapolar o que representa na quadra, fora dela. Em várias ocasiões, ouvi o argumento de que as grandes estrelas do esporte deveriam se aposentar enquanto ainda conseguem manter uma posição elevada para não manchar sua boa reputação. Não concordo com essa afirmação, pois nunca fiquei com a imagem de um grande campeão na época de seu declínio. E para quem o faz, no mínimo, é preciso apontar o erro. Depois de uma breve revisão da imprensa de ontem, pego as seguintes manchetes: "Hurkacz dá pneu para Federer", "Federer é expulso do templo do tênis", "Federer se divide em três sets", "Hurkacz expulsou o rei de campo de seu reino ”. Claro, eu não leio mais nenhum dos textos.

Assisti ao jogo na Academia do meu sobrinho em Manacor, junto com um grupo de crianças que estão fazendo seu acampamento de verão lá. Entre eles estava um menino suíço de cerca de 13 anos que, nervoso, não conseguia ver os rumos que o último conjunto estava tomando. Ele implorou a Roger para jogar um jogo porque ele não conseguia imaginar ver seu ídolo sofrer por 6/0, nem poderia conceber sua derrota em Wimbledon como um preâmbulo para uma carreira que naturalmente chegará ao fim no tempo. Quando o jogo acabou, o menino começou a chorar. Eu disse a ele para não dar importância, para esquecer aquele resultado, da mesma forma que todo mundo iria esquecer em muito pouco tempo. Tal fato só pode ser apenas anedótico na brilhante carreira de um dos maiores atletas de todos os tempos."

Toni finaliza: "Independentemente do fim da carreira no tênis de Roger Federer, nada nem ninguém poderá manchar o prestígio que o grande tenista suíço deu à história do tênis. Desejo a ele, claro, mais uma vez com todos nós e, acima de tudo, uma turnê de despedida para que os fãs dos grandes torneios possam mostrar a ele, mais uma vez, seu grande carinho e admiração."

banner
banner