X

Técnico próximo a Federer: 'Chama não se apagou'

Sexta, 09 de julho 2021 às 09:11:57 AMT

Link Curto:

Tênis Profissional

Heinz Günthardt, técnico suíço próximo a Roger Federer, declarou ao jornal local  Tagesanzeiger, que o tenista de 39 anos teria sentido a pressão na disputa de Wimbledon onde tinha boas expectativas. 



Federer foi eliminado nas quartas de final diante do polonês Hubert Hurkacz em três sets: "Dada a preparação que teve para o torneio, as quartas de final são um bom resultado. O que acho que deve ser esclarecido é que seu nível em Londres não subiu, especialmente em comparação com Roland Garros. Em Paris já estava bem, mas com a mentalidade perdedora, como em Doha. Deixou claro para todos que ia lá adquirir sensações e que o que importava mesmo era Wimbledon, por isso quando chegou a Londres sentiu a pressão ”, revela o suíço que analisou a derrota por 6/3 7/6 6/0 para o polonês 18º do mundo.

“Dava para ver como contra o Mannarino, no primeiro jogo, ele entrou em quadra com medo da derrota. Praticamente não bateu no backhand, se dedicou a executar golpes, não queria errar. Na frente do Hubert ele tinha a sensação do backhand. O começo era que ele não conseguia acompanhar o ritmo em ralis longos, então ele tinha que ser muito agressivo, ele tinha que jogar tudo ou nada na maioria das jogadas, acho que apressou um pouco. Para vencer o polonês em um dia de tanto vento é preciso fazer um tênis perfeito, mas nada saiu do jeito que Roger queria. Ele conseguiu poucos pontos livres com o saque, não se sentiu confortável e isso afetou sua confiança e mobilidade.", disse um Günthardt que acredita que coisas positivas podem ser extraídas.

“Ele precisa vencer rivais importantes, teria sido fundamental para o Roger enfrentar o Medvedev, por exemplo, ter uma referência de onde está o tênis dele. Em Londres ele conseguiu verificar que está em nível para continuar competindo, mas ao mesmo tempo, a forma como terminou o jogo contra o Hurkacz é preocupante porque deu a sensação de que ele não sabia como ganhar um ponto. Acho que só ele pode dizer se a passagem pelo torneio foi positiva", diz o treinador suíço.

O técnico afirmou que a chama não se apagou sobre uma possível aposentadoria: "A minha sensação é que a chama não se apagou, o Roger quer continuar a jogar tênis e, o que vi em Wimbledon, é que ele estava até muito interessado, queria fazer mais do que o recomendado dado o tempo que não jogou neste. Não sei se ele vai continuar jogando em 2022 porque não acho que ele queira ficar nesse nível para sempre. Minha percepção da questão é que ele vai apertar os próximos dois ou três meses para tentar se colocar no situação de lutar pelo máximo, e se não, ele vai tomar uma decisão ", disse ele antes de comentar sobre a presença de Roger Federer nos Jogos Olímpicos de Tóquio em 2021." Não vejo razão para que ele não deva jogar lá ".

 

banner
banner