X

Tenistas ucranianas se unem e pedem banimento de russos e bielorrussos

Quarta, 20 de abril 2022 às 10:12:14 AMT

Link Curto:

Tênis Profissional

Algumas das principais tenistas da Ucrânia, Elina Svitolina (ex-top 2 e atual 25ª), Marta Kostyuk (52ª) e Lesia Tsurenko (135ª), publicaram um comunicado em comum pedindo para que as associações profissionais (ATP e WTA) punam tenistas russos e bielorrussos.



O comunicado é iniciado com uma frase da ativista pelos direitos humanos, a ítalo-americana Gianetta Sagan: "O silêncio diante da injustiça é cumplicidade com o opressor" e fala da invasão russa à Ucrânia com apoio de Belarus.

O comunicado por partilhado pelas atletas, incluindo nomes como Kateryna Kozlova e Anhelina Kalinina, nas redes sociais.

"Há uma guerra no nosso país, em nossa casa. Todos os ucranianos foram forçados a deixar suas casas e lutar por suas vidas", destaca o comunicado. "Milhares de pessoas estão desabrigadas, milhares de crianças agora sabem como são explosões, medo e morte", segue.

As tenistas seguiram: "Como atletas, nós vivemos uma vida pública e isso nos traz enormes responsabilidades. Alguns de nossas publicações e opiniões nas mídias sociais alcançam uma audiência maior que muitas redes regionais de TV. Em tempos de crise, silêncio significa concordância com o que está acontecendo. Notamos que alguns tenistas russos e bielorrussos em algum momento citaram a guerra por cima, mas nunca claramente sobre o que Rússia e Belarus iniciarem em território da Ucrânia".

Na sequência, as tenistas pedem que tanto ATP quanto WTA façam 3 perguntas aos atletas de Rússia e Belarus: 

- Você apoio a invasão de Rússia e Belarus ao território ucraniano e a guerra que se deu em consequência?

- Você apoia as ações militares de Rússia e Belarus em território ucraniano?

- Você apoia os regimes de (Vladmir) Putin e (Aleksandr) Lukashenko? [respectivamente presidentes de Rússia e Belarus].

As tenistas finalizam pedindo o banimento de atletas destas duas ações, de acordo com o que responderem, e citam a decisão, ainda não oficial, de Wimbledon de banir atletas destas duas nações.

banner
banner