X

ITF é acusada de favorecer melhores jogadores em exames antidoping

Domingo, 19 de junho 2022 às 13:53:16 AMT

Link Curto:

Tênis Profissional

A Federação Internacional de Tênis (ITF) foi acusada pelo jornal britânico Daily Mail de favorecer os principais jogadores do circuito na realização de antidoping.



Descobriu-se que a ITF permite que os melhores jogadores do mundo escolham o momento de fazer seus próprios exames, além de outras facilidades que colocam em risco a credibilidade das organizações.

Para entender o que aconteceu, é preciso esclarecer que desde este ano as questões de doping não são mais tratadas pela própria Federação, mas sim pela ITIA, um órgão que em tese é independente que é financiado pela ITF, ATP, WTA e pelos Grand Slams. De fato, Jennie Price, Diretora do Integrity Oversight Board, deixou claro que “a independência da ITIA é crucial quando se trata de questões de integridade e o tênis pode se orgulhar de liderar dessa forma”.

Uma vez estabelecida essa nova etapa, que significaria um aumento no orçamento para um melhor resultado, os alarmes começaram a soar. Após a investigação foi esclarecido que os jogadores foram informados dos horários dos exames de doping sanguíneo do Masters 1000 de Miami, havendo assim alguma margem de manobra. Eles também foram notificados de que as amostras seriam coletadas antes de Roland Garros 2019 e do US Open no ano passado.

De fato, uma mensagem enviada por Nicole Sapstead, diretora do programa antidoping da ITF, antes do torneio de Miami, dizia que “os agendamentos para fornecer sua amostra de ABP serão entre 9h e 18h todos os dias (entre 19 e 22 de março de 2022) e será alocado por ordem de chegada." Isso deu aos jogadores até quatro dias antes dos testes, de acordo com o jornal.

Como parte do ABP (passaporte biológico), a ITF coleta amostras de sangue de jogadores ao longo do ano para monitorar como seus parâmetros sanguíneos mudam ao longo do tempo. O código afirma que "exceto em circunstâncias excepcionais e justificáveis, todos os testes serão realizados sem aviso prévio". No entanto, o ITIA disse que alerta os jogadores sobre o teste de ABP antes de algumas competições, porque permite que eles façam mais testes.

"O objetivo é coletar dados do maior número possível de jogadores, para que tenhamos o maior conjunto de dados para trabalhar", disse a ITIA em comunicado. “Logisticamente, faz sentido configurar isso uma ou duas vezes por ano com antecedência, para que possamos testar o maior número possível de jogadores. Ou seja, eles declararam que é uma mera questão organizacional e que “como fazemos esse teste continuamente, não faz diferença se os jogadores o conhecem ou não”.

No entanto, isso não esclarece completamente as dúvidas. Rob Parisotto, um cientista australiano que é membro do painel de especialistas do ciclismo da ABP, diz que as autoridades do tênis estão potencialmente permitindo que "trapaceiros" escapem avisando-os. "A declaração do ITIA é extremamente chocante. Faz uma grande diferença se os testes são conhecidos com antecedência." Ele explicou que fazer os testes 4 dias antes da competição também permite que eles melhorem seus valores sanguíneos. capacidades de recuperação, para mostrar melhor na pista.

De fato, durante a investigação da Agência Antidoping dos EUA sobre o doping sistemático de Armstrong no ciclismo, os companheiros de equipe do ciclista admitiram manipular regularmente seus parâmetros sanguíneos usando infusões salinas quando sabiam que seriam submetidos a testes de doping. 

A ITF também foi acusada de inflar seus números de testes depois que surgiu que eles contam cada amostra coletada durante um controle de doping individual como um teste separado. Se um jogador enviar amostras de sangue, urina e passaporte ao mesmo tempo, são contados como três testes em vez de um.

Os próprios documentos oficiais da ITF listam esses números como 'testes por jogador' e não 'amostras por jogador'. Dados obtidos pelo Daily Mail em um jogador russo mostram que eles foram testados três vezes fora da competição em 2015. Os números oficiais da ITF indicam que eles foram submetidos a pelo menos sete.

Em 2021, Roger Federer, Rafael Nadal e Novak Djokovic foram testados 9, 12 e 13 vezes fora de competição, respectivamente, de acordo com estatísticas da ITF.

Deve-se notar que testes de doping aleatórios fora de competição aumentam as chances de pegar competidores que optam por se doparem. Embora a agência diga que a notificação antecipada do teste ABP apresenta aos jogadores "um desafio adicional de como lidar com a perspectiva de um teste em poucos dias".

banner
banner