X

Navarro segue fase final de tratamento contra o câncer

Segunda, 25 de janeiro 2021 às 09:30:54 AMT

Link Curto:

Tênis Profissional

Em entrevista  à RNE, a espanhola Carla Navarro explicou como enfrentará, nesta segunda-feira, a sua última sessão de tratamento, a última antes de regressar à normalidade. As melhores notícias que você vai ler hoje em dia, sem dúvida.



 

"Está tudo bem, tudo está evoluindo conforme o planejado. Já estou na reta final. O tratamento tem corrido muito bem, o meu corpo tem reagido perfeitamente, até conseguiram tirar uma sessão de quimioterapia, o que sempre agradeço. Nesta segunda-feira dia 25 tenho a última sessão, onde terei o último encontro com o meu médico. Se me disserem que já estou curada, poderei voltar à normalidade "

“Há várias semanas voltei a jogar tênis, embora fosse com bolas sem pressão, bolas de criança. Mas desde segunda-feira passada voltei a treinar com bolas normais, que são um pouco mais parecidas com o tênis normal. No entanto, ainda não penso em voltar ao circuito. É verdade que agora fico muito mais cansada do que antes, me recupero muito depois. Não sei como meu corpo vai reagir, não sei o que vai ser preciso para entrar em forma. Tenho alguma ideia, alguma ilusão, mas agora não posso dizer quando poderei reaparecer, se é que algum dia poderei. O corpo tem que se adaptar a todos os medicamentos dos últimos seis meses ”.

“No tênis, por ser um esporte individual, é sempre você quem está na quadra, que tem que resolver os problemas, que enfrenta obstáculos. Todo esse esforço dos jogos e treinos me ajudou a lutar contra essa doença. Além do que possa acontecer, meu sonho é poder me aposentar jogando tênis, mas o principal é que eu possa me curar ”.

“Tenho conversado com alguns jogadores que estão lá, mas a maioria deles tem a sorte de poder sair para treinar. A segurança é máxima, eles te acompanham em todos os lugares e os horários são seguidos à risca, tudo é muito controlado. Mesmo assim, eles se sentem privilegiados por ter a opção de competir novamente ”.

“No meu caso, a chegada dessa pandemia foi muito ruim para mim, me machucou porque não sei se estarei disponível para julho deste ano. Por não poder jogar quase nada, serão meus companheiros e meus rivais que terão de se classificar ou não. Se tivesse sido organizado no ano passado e 2020 teria sido uma temporada normal, eu teria a opção de jogar torneios e me qualificar para mim. Aí fiquei doente e não pude fazer mais nada. O melhor teria sido se a pandemia não tivesse existido e os Jogos Olímpicos tivessem sido disputados no verão passado ”.

Seu sonho é poder voltar a jogar um Slam: “Hoje, gostaria de me despedir de um Grand Slam. Eu gostaria de poder jogar o US Open e me aposentar lá. E se é possível se aposentar vencendo o torneio. Quanto mais cedo for um torneio, mais justo vou ficar, então vou ficar com o US Open ”.

banner
banner