X

Retrospectiva - Setembro - Surpresas do US Open, Laver Cup e vergonha na Davis

Terça, 26 de dezembro 2017 às 09:00:00 AMT

Link Curto:

Tênis Profissional

O mês de setembro inciou-se exatamente durante o meio da primeira semana da disputa do último Grand Slam do ano, o US Open, e foi testemunha da diversas zebras. Também foi palco da primeira vitória de Rafael Nadal e Roger Federer jogando juntos.



O mês abriu com Rafael Nadal tomando um susto e vencendo o japonês Taro Daniel de virada. Enquanto no mesmo dia, Serena Williams entrava em trabalho de parto para receber sua primogênita. Essa adversária, Garbiñe Muguruza revelou não querer enfrentar. De longe, a titia Venus Williams era só empolgação com a chegada de Alexis.

No Slam nova-iorquino, um cidadão da Estônia foi preso por não respeitar ordem de restrição. Outra situação lamentável foi protagonizada por Fabio Fognini, que xingou uma árbitra e foi desclassificado do US Open. A decisão foi tardia, na opinião de Rohan Bopanna, eliminado por Fognini do torneio. Nadal também criticou a demora. Fognini disse que chorou após a partida em que ofendeu a árbitra.

Na chave feminina, nas oitavas, Maria Sharapova optou por rebater críticas de Caroline Wozniacki, já eliminada do torneio. Na sequência, a russa fez jogo de muitos erros e foi eliminada. Elina Svitolina caiu nas oitavas para Madison Keys e saiu da briga pelo Nº1. Em ano de recuperação, Petra Kvitova parou nas oitavas. Karolina Pliskova caiu nas quartas e perdeu o Nº1. Muguruza assumiu o topo. As semifinais foram 100% entre locais. O torneio pôs fim a uma série de 4 anos. Após iniciar o ano com cirurgia no pé, Sloane Stephens sagrou-se campeã do US Open.

No masculino, Paolo Lorenzi foi o tenista mais velho da história a estrear nas 8ªs de um Grand Slam. Alexander Zverev parou na grande performance de Sam Querrey em uma das zebras do torneio. Já a campanha de sonho de Denis Shapovalov, após furar o quali, parou na terceira rodada em Pablo Carreño Busta, que chegou à semifinal sem perder sets. O russo Andrey Rublev tornou-se  o mais jovem em 16 anos a alcançar às quartas. Jogando gripado, Juan Martín Del Potro venceu jogo épico contra Dominic Thiem. Kevin Anderson recolocou um sul-africano na semifinal em Nova York e alcançou sua primeira final de Slam. Anderson tve o sonho freado e Nadal sagrou-se tricampeão em Flushing Meadows.

Nas duplas Horia Tecau e Jean Jullien Rojer ficaram com o título e o uniforme de Rojer era indireta para supremacistas brancos. Já nas duplas feminina, teve acusação de antidesportividade na semifinal em confusão envolvendo Lucie Safarova e Lucie Hradecka, mas o título ficou nas mãos de Martina Hingis e Yung Jan Chan. Nas duplas mistas o título ficou com Hingis e Jamie Murray.

Durante o US Open, a WTA elegeu as novas membros do Conselho de Jogadoras, com nomes como Venus Williams, Safarova e Victoria Azarenka.

Serena apresentou ao mundo Alexis Olympia Ohanian Jr. Dias depois, dedicou carta pública à sua mãe.

Com brasileiros derrotados em Nova York, Brasil pensava no duelo de Playoffs da Copa Davis contra Japão e viu Thomaz Bellucci desistir por lesão e Rogerio Dutra Silva não aceitar convocação às pressas. Com Guilherme Clezar escalado, Brasil viu jogador ser investigado por ato xenófobo durante disputa e ser multado em R$ 5 mil. Duelo foi paralisado por causa de tufão e Brasil caiu por 3x1 e voltou ao Zonal. Argentina foi rebaixada após 17 anos. Shapovalov se recuperou do erro anterior e manteve o Canadá na elite.

Na Copa Davis, Conchita Martinez foi demitida pela RFET e deixou comando da Espanha na Fed Cup e Copa Davis, dando inicio a uma das grandes polêmicas do ano. Uma das maiores tenistas da história do país, Martinez reclamou publicamente da demissão. Juan Carlos Ferrero recusou convite para assumir posto de Conchita.

Pelas semifinais do Grupo Mundial, David Goffin protagonizou um duelo de coração e lágrimas diante da Austrália. Duelo foi definido em heroico quinto jogo. França foi à final garantida por Jo-Wilfried Tsonga.

Fora das quadras, a campeã olímpica Monica Puig abriu fundos para ajudar seu país, Porto Rico, a se recuperar de forte furacão.

Para divertir o público na Europa, a Laver Cup contou com Nadal e Federer incentivando companheiros e vencendo duelo de duplas juntos em parceria histórica. Título do torneio ficou nas mãos do time Europa pela raquete de Federer. Sucesso tamanho, e Muguruza e Wozniacki defenderam a ideia de uma Laver Cup feminina.

Dono do Masters/WTA de Madri, Ion Tiriac seguiu atacando o tênis feminino e abriu processo contra WTA.

O mês abriu a temporada no piso rápido pela Ásia, finalizada em outubro.

banner
banner