X

Gauff se diz orgulhosa por 1ª final de Slam e destaca aprendizado

Sábado, 04 de junho 2022 às 15:21:18 AMT

Link Curto:

Tênis Profissional

Coco Gauff, de 18 anos, se mostrou orgulhosa após sua primeira final de Grand Slam onde saiu derrotada por Iga Swiatek, líder do ranking, por 6/1 6/3 neste sábado. Ela foi vice-campeã de Roland Garros.



"Estou super orgulhosa de mim mesmo, senti muitas emoções durante a partida, uma mistura de alegria e tristeza, mas vou aproveitar essa experiência da melhor maneira possível e aprender com ela para melhorar. A verdade é que no início do jogo eu não estava tão nervosa, os nervos apareceram quando perdi os três primeiros games. Eu acho que em alguns momentos eu poderia ter jogado melhor, mas ela também não me deu nada, há uma razão muito grande para ela ser a campeã. Estou feliz por ter dado o meu melhor esta tarde", disse Gauff.

“Não pensei nas estatísticas ou nos recordes antes de entrar no jogo. Se ela tivesse jogado com outra jogadora, alguém que não tivesse tantas vitórias seguidas, ela teria ficado tão nervosa quanto. Iga faz uma coisa muito bem e é sua maneira de lidar com momentos de pressão, ela sempre está à altura da ocasião, hoje foi um desses dias. Eu costumo ir muito bem também, mas hoje ela estava em outro nível.”

Ela continuou elogiando a tenista polonesa: "Provavelmente não há outra jogadora com esse nível, ou pelo menos que eu tenha enfrentado. Tanto Iga quanto Ash (Barty), embora ela não esteja mais jogando, foram as duas jogadoras que quando você entrou em quadra já sabia que seriam os mais difíceis de vencer. Sou grata por ter jogado contra as duas, muito do sucesso da minha carreira deve vir em jogos como esse e depois trabalhar muito para melhorar e voltar mais forte. Agora eu sei o que tenho que fazer, se houver uma próxima vez que jogarmos uma final novamente, o resultado será diferente”.

Sobre as lições de Paris, ela descreveu: "Aprendi muito, ganhei confiança em todos os lugares. Todo mundo fala do meu backhand, mas acho que o que me levou à final foi o meu forehand. De uma forma ou de outra, é o torneio em que joguei melhor com os dois golpes. Mesmo com as duplas-faltas, algo que para mim era um problema sério no passado, aqui eu vi que não significa mais nada”.

Sobre suas lágrimas, ela disse: "Eu não sabia como lidar com as emoções naquela época, simplesmente comecei a chorar. Tento com todas as minhas forças não chorar na quadra, independente de ganhar ou perder. Hoje foi uma coisa estranha porque me senti feliz e triste ao mesmo tempo, não sabia como lidar com isso. Comecei a chorar e, naquele momento, me disseram que eu tinha que fazer um teste antidoping. Então eu não sabia se ria ou chorava. Foi uma maneira de responder a tudo o que estava acontecendo, mas estou trabalhando para ser mais forte e não chorar da próxima vez.”

banner
banner