X

Del Potro volta a sentir dores no joelho e passa por infiltração para treinar

Quinta, 27 de janeiro 2022 às 19:47:19 AMT

Link Curto:

Tênis Profissional

A expectativa de retorno de Juan Martin del Potro sofreu um golpe através de notícia divulgada pelo diário La Nacíon, da Argentina, nesta quinta-feira. O tenista voltou a sentir dores durante seus treinamentos.



O tenista não compete desde junho de 2019, há quase 1 mil dias, após sofrer lesão no joelho, e a esperança ainda é que jogue a partir do dia 7 em Buenos Aires e depois no Rio Open.  

Sua tolerância à dor, depois de tantas intervenções e tratamentos, é muito baixa. Nas últimas semanas a intensidade dos treinos aumentou, mas o desconforto reapareceu na área operada, razão pela qual ainda não oficializou sua presença nas duas competições. Além disso, durante essas horas ele cancelou momentaneamente seus treinos e passou por uma nova infiltração no joelho para tentar diminuir o desconforto.

Depois de seis dias de ensaios no clube Uncas de Tandil durante a segunda semana de janeiro, em que seu desempenho foi de baixo a alto em clima sufocante, ele acabou simulando pontos com Marcelo "Negro" Gómez, seu treinador, com a cesta On do outro lado da rede, Del Potro voltou à cidade de Buenos Aires buscando dar mais um passo em direção ao seu tão esperado retorno. No Tênis Club Argentino, palco de Palermo onde costuma treinar, na semana passada a demanda aumentou com Juan Ignacio Londero. Nos primeiros dias jogaram pontos soltos, em que Del Potro (acompanhado do preparador físico Leo Jorge) mostrou um timing impecável na hora de acertar a bola. “Ele ainda tem um timing louco. Cada bola que bate da direita é uma vencedora”, disse uma testemunha.

O saque também funcionou perfeitamente para Juan Martín. E uma jogada que ele repetiu dezenas de vezes contra o Londero foi cortar a bola com um corte e um cruzamento, inverter para a direita e buscar dominar com um winner.  No entanto, após vários dias "positivos" de treinamento, as dificuldades apareceram no final da semana, quando chegou a hora de ensaiar os sets. Del Potro se sentiu desconfortável, seus movimentos no saibro de Buenos Aires diminuíram, sua linguagem corporal não era a mesma e seus tiros não causavam tanto dano. Ele parecia cansado e um pouco tenso. Fazia muito tempo que não fazia uma ida e volta intensa contra um rival ativo e, obviamente, quando somava quilometragem, sofria com isso.

Novamente o Tênis Clube Argentino foi palco do treinamento de Juan Martín durante esta semana. Embora o "rival" fosse outro: Sebastián Báez (88º) que, de certa forma, é apoiado e patrocinado pelo campeão do US Open de 2009. A boa relação entre o homem de Tandil e o treinador de Báez, Sebastián Gutiérrez (integrante do treinador de Daniel Orsanic na Copa Davis) aproximou Juan Martín de uma das raquetes nacionais mais destacadas da nova geração. Depois de chegar à segunda rodada do Aberto da Austrália, Báez voltou a Buenos Aires e, antes de viajar para Córdoba treinou com Delpo que voltou a elevar o nível em quadra.

O jornal LA NACION confirmou que Del Potro teve altos e baixos novamente. Ele não era mais observado com a fluidez e alegria de outros dias na quadra. 

Tentam empurrá-lo e apoiá-lo emocionalmente durante os dias em que o atual 755º do ranking é amargurado pela dor de um joelho que, segundo os médicos, "está saudável", mas que não para de lhe dar dores de cabeça (e portanto nestas horas se infiltrou novamente). Eles o encorajam e garantem que no dia em que ele entrar em quadra e sentir o apoio do público, ele estará energizado e, pelo menos por um tempo, esquecerá as dores de um joelho que -segundo o protagonista- nunca reagiu a tratamentos ruins, invasivos e que foi operado pela última vez em março de 2021, na Ortopedia Centro-Oeste em Rush em Chicago por Jorge Chahla, cirurgião ortopédico nascido em Tucumán, mas radicado nos EUA, especializado em joelho, quadril e ombro problemas.

banner
banner