X

Paire e a filosofia do esforço mínimo: 'Nunca me sacrificaria para virar No. 1'

Sábado, 19 de dezembro 2020 às 13:55:44 AMT

Link Curto:

Tênis Profissional

O tenista francês Benoit Paire é daqueles atletas que curtem a vida e o circuito diante de um grande talento e não tem aspirações maiores no tênis. Em entrevista ao Racquet Magazine ele destacou que nunca iria se sacrificar para virar número 1 do mundo.



"O tênis sempre foi um jogo para mim. Acontece que se tornou meu trabalho também. Mas se jogo tênis, é antes de tudo para me divertir na quadra e divertir as pessoas que vêm me ver. Meu jogo é ideal para isso. Sinto uma descarga de adrenalina enquanto tento golpes loucos e vejo as reações dos torcedores. Claro, quando você está completamente errado, você parece um idiota, mas quando funciona, é ótimo. Quando estou treinando, tento todos os tipos de bolas. Faço isso desde criança. Fico entediado durante alguns treinamentos, mas se consigo fazer uma bola improvável, meu sorriso volta imediatamente . Sempre achei que essa é minha habilidade especial," disse o francês.

 

"Há muita hipocrisia nesse esporte . Vamos as entrevistas pós-jogo - os jogadores se seguram e não dizem o que pensam. Se você acha que seu oponente foi mal, por que não dizer? Mesmo se você for atacado por isso. Não é um desrespeito, é uma observação sobre aquele dia particular. Isso não significa que pensamos que o jogador é sempre terrível. Talvez na próxima semana o mesmo jogador vença você. Em Monte Carlo, em 2017, joguei contra Tommy Haas. Ele me venceu por 6/2 6/3. No meio do jogo, eu disse que era horrível. Isso se espalhou por todas as redes sociais. É um jogador que respeitei muito, que admirei muito. Ele era incrivelmente talentoso, excepcional, mas não me venceu naquele dia porque jogou bem. Ele me bateu porque eu estraguei tudo. Se você perguntar a Casper Ruud o que ele pensou de mim depois de me derrotar por 6/1 6/1 em Madrid em 2019, ele não dirá que estou bem! Eu agi como uma criança em comparação com ele. Porém, terminei o ano do número 24, quando ele tinha 54. Às vezes gostaria de um pouco mais de honestidade".

"Fui rotulado de menino talentoso, mas idiota . Muitas vezes as pessoas me diziam que eu tinha tudo para estar entre os 10 primeiros. Só que também sinto falta de muitas coisas: ser sério nos treinamentos, me preparar fisicamente ... Esses são sacrifícios que eu não consigo fazer. Talvez meu tênis esteja nesse nível, mas aqueles entre os dez primeiros também têm o impulso físico e mental necessário. Eles têm tudo e eu não. Ganhar um Grand Slam nunca foi minha ambição. Prefiro estar entre os 30 primeiros e curtir a vida. Jogar golfe e beber sempre que quero, em vez de sacrificar tudo para ser o número um do mundo".

"Todo mundo diz que eu teria tempo para relaxar no final da carreira e que deveria me dedicar totalmente ao tênis. Mas quem é doutrinado a se sentir assim nunca relaxa de verdade. A maioria dos caras fica no circuito. Nunca vi ninguém que realmente se soltasse. Porque esta é a vida deles: tênis, tênis, tênis. Existe um vazio quando eles param de jogar. No dia em que eu parar de jogar tênis, ainda terei mina bebida, minhas noites fora e meu golfe . Tenho uma vida maravilhosa, que muitos gostariam de ter. Eu ganho dinheiro, me divirto, viajo e sou o cara mais feliz do mundo! Eu tenho muita sorte. Eu não sacrificaria nada para ser o número um do mundo. Em 2019 fui para Mykonos e Ibiza: me tratei como um rei e compartilhei os melhores momentos da minha vida com meus amigos. Não é algo que farei quando tiver 40 ” .

Os sonhos não são todos iguais, na vida como no tênis. Não fazemos todos as mesmas coisas e, em todo o caso, nem todos pela mesma razão. Dentro e fora do campo, vivemos de escolhas. Estranho, forçado, certo, errado: cada um faz o seu . Deste ponto de vista, Paire já parece sereno, mesmo com alguns anos de carreira pela frente (potencialmente), e no final talvez isso seja o suficiente. "Não tenho ciúme de Nadal, Federer ou Djokovic. Eu os respeito muito e acho que o que eles fazem e quanto investem no tênis é incrível. Mas caramba, quando vejo o Rafa vencer Roland Garros e dois dias depois treinar no Queen's para a temporada na grama… É um mundo diferente! Se eu ganhasse Roland Garros, não sei se iria para o Queen's ou mesmo para Wimbledon. Na verdade, acho que terminaria minha temporada lá! Eles são campeões. Sem eles, o tênis não seria o que é hoje . Eu os admiro enormemente, mas nunca serei como eles. Isso não me impede de me considerar um campeão. Eu estava em 18º lugar no mundo, estou no top 100 há dez anos e tenho três títulos ATP: é uma carreira muito boa".

 

banner
banner