X

Verdasco fala de frustração e indignação com organização de Roland Garros

Sexta, 25 de setembro 2020 às 17:09:33 AMT

Link Curto:

Tênis Profissional

O espanhol Fernando Verdasco, ex-top 7 e atual 58º, fez coro à reclamação da polonesa Katarzyna Kawa e em uma carta aberta deixou clara toda sua indignação com os organizadores de Roland Garros, que o eliminaram por testar positivo par COVID-19.



Leia mais

Polonesa esbraveja com Roland Garros após ficar fora por falso positivo

Na carta, escrita em espanhol e compartilhada pelo tenista em suas redes sociais, Verdasco revela que em agosto deste ano testou positivo para COVID-19 e passou pela doença de forma assintomática. "Segui as orientações de isolamento social e voltei às minhas rotinas após testar negativo em dois testes de PCR consecutivos", pontuou o espanhol revelando que desde então tem feito periodicamente testes para a doença.

Ainda segundo o tenista, ele testou negativo no Masters de Roma, na Itália, e no ATP 500 de Hamburgo, na Alemanha, e por decisão própria decidiu não competir para "se preparar para Roland Garros". É aí que começa o drama do espanhol.

"Minha equipe e família viajamos na terça-feira para Paris e voltamos a fazer testes de PCR correspondente. Todos deram negativo, menos eu. Tratei de explicar meu histórico e situação e tentei solicitar para que me fizessem outro teste, especialmente por ter visto que aconteceu a mesma coisa a outros atletas. A organização de Roland Garros se negou a fazer outro teste, inclusive tendo em conta todas as circunstâncias e que havia dias suficientes para eu repetir o exame antes da competição e do sorteio da chave. Do mesmo jeito, fui desclassificado", revela.

O tenista conta que fez por conta própria dois exames de PCR e um exame em sorologia, em clínicas diferentes  e garante que "todos os resultados deram negativos".

Na mesma linha da polonesa, Verdasco afirma que a mesma situação pode acontecer com outros jogadores. "Na minha opinião, é preciso fazer outros testes para evitar desclassificações diretas e injustas e dar ainda mais segurança aos jogadores", escreveu.

Fernando Verdasco é veterano no circuito e aos 36 anos desabafou: "Quero comunicar minha total frustração e indignação com a organização de Roland Garros por tirar de mim o direito de participar deste evento tão importante, sem sequer me dar a oportunidade de fazer outro teste com uma nova amostra para confirmar o resultado do primeiro, que poderia ser um erro", finaliza sua carta.

 

banner
banner
banner