X

Americano conta que pelo racismo prefere jogar fora de seu país

Sábado, 06 de junho 2020 às 13:50:50 AMT

Link Curto:

Tênis Profissional

Ao blog Behind the Racquet, o tenista americano Evan King contou sua experiência sobre racismo. O tenista que foi 185 do mundo e tem 28 anos, revelou como mudou sua carreira em 2015 e porque não gosta de jogar em seu país e sim fora.



"O início de 2015 foi um período sombrio para mim. Tinha decidido me aposentar do tênis, escapar dessa bolha e voltar ao mundo real. Com essa mudança de vida, teria mais tempo para viver, refletir e consumir tudo o que está além do mundo do tênis. Durante esses meses, alguns assassinatos racistas aconteceram nos Estados Unidos, com Travyon Martin sendo o episódio que teve maior repercussão, mas houve muitos outros que não chamaram a atenção da mídia convencional, pois essas histórias foram repetidas dia após dia.

Os assassinatos ainda estavam acontecendo, mas eu não estava mais focado apenas na bolinha amarela, então pensei que qualquer um desses assassinados pudesse ter sido eu. Poderia ter sido aquele garoto andando pelo 11 de setembro com o capuz levantado e comendo Skittles, um caso muito recente, ou poderia ser Ahmaud Arbery correndo em um bairro branco antes de levar um tiro. Todas essas suposições me levaram a terrenos escuros. Eu tinha 22 anos e já pensava em tudo que deixaria para trás se minha vida terminasse inesperadamente. Eu pensei que queria ter um filho, deixar algo para trás se eu morresse, para garantir que minha linha familiar não terminasse comigo.

De repente, senti a sorte de ainda estar vivo. Andava nos cemitérios toda semana, olhava para as lápides e ficava empolgado toda vez que o falecido era mais novo que eu. Nem todas as mortes tinham uma causa racial por trás delas, mas continuei fazendo esse ritual para ter uma perspectiva e apreciar que havia atingido os 23 anos de idade, sabendo que outras não. Senti um choque de maturidade na minha vida muito antes do normal. Meu objetivo era chegar aos 25, tudo o que viesse depois seria um presente.

Esses sentimentos duraram alguns meses. Com o tempo, encontrei uma maneira de lidar com esse pensamento e entorpecer ligeiramente essa perspectiva da vida. Ao meu redor havia um grande grupo de pessoas que me impediram de atravessar aqueles cemitérios, então voltei ao circuito. Desde então, viajo bastante pelo mundo, mas sou um dos poucos jogadores americanos que prefere jogar fora dos Estados Unidos. Sinto-me mais seguro andando em uma rua no Cazaquistão ou na Bósnia do que em muitos lugares do meu país.

Agora estou compartilhando tudo isso na esperança de que as pessoas entrem em contato com suas respectivas equipes para dizer que estão bem. Estamos diante de um momento selvagem, onde você não sabe quem pode ser afetado ou como eles podem ser prejudicados. Em 2015, parecia-me normal, foi um momento sombrio, mas agora estamos em 2020 e já tenho 28 anos. Sou capaz de sorrir e aceitar essa fase da minha vida, algumas histórias e conversas estão acontecendo, mas há mais indignação geral por parte do público, o que é uma boa mudança. Essa indignação é necessária; portanto, não se esqueça de entrar em contato com seu pessoal e dizer que você está bem. ”

banner
banner