X

Ferrer rasga elogios a Hewitt e diz que só pensou em jogar cada ponto

Quinta, 21 de janeiro 2016 às 13:40:22 AMT

Link Curto:

Tênis Profissional

Após a inquestionável vitória por 3x0 sobre Lleyton Hewitt, David Ferrer, 8º melhor jogador do mundo, falou sobre o público australiano, o jogo e a idolatria pelo adversário que aposentou.



Perguntado se estava preocupado com o reação que a torcida poderia ter na partida, Ferrer foi sincero. “Ah, claro que sim, um pouco. Conheço Lleyton [Hewitt] e esse era o último torneio de sua carreira. Tentei ficar focado em mim mesmo, jogar ponto após ponto”, expressou, elogiando a plateia, a seguir. “E eles [torcedores] foram muito gentis. Claro, para Lleyton, pois era a noite dele, mas também para mim, que também estava ali”.

 

“Gostei muito de jogar este jogo, de brigar contra Hewitt por ele [jogo], pois ele [Hewitt] é um lutador. É um espelho para mim”, elogiou o número 8 da ATP.

 

Questionado se ficou com medo ao perder o saque no 4/3 do terceiro set, ele mostrou um outro ponto de vista. “Não. É sempre difícil vencer fácil. E, jogando contra Lleyton, é impossível, ele é um dos maiores jogadores da história. Sua performance neste Australian Open foi realmente muito boa, ele jogou um ótimo tênis”, disse Ferrer, rasgando mais elogios ao agora aposentado australiano.

 

“Então, naquele momento [ao perder o saque em 4/3, única quebra que sofreu no jogo], tentei permanecer focado, porque sabia que Hewitt lutaria até a última bola. Eu sabia disso”.

Sobre as dúvidas quanto ao que ele teria dito para o australiano na rede, já que Ferrer tem um inglês modesto, ele esclareceu. “Disse que foi um prazer para mim jogar a última partida dele, que ele é um ídolo para mim, um dos melhores jogadores do mundo. Eu falei isso a ele porque adoro seu jogo e a maneira como ele luta”.

 

Por fim, perguntado se tinha pedido a camisa de Hewitt – o australiano, na entrevista pós jogo, disse que não havia entendido bem o que Ferrer lhe disse na rede, mas achava que o espanhol teria pedido sua camisa como recordação -, Ferrer explicou que não. “Não. Eu disse que tenho uma camisa que ele assinou para mim, há oito anos, em casa. Há oito anos eu lhe disse que era um ídolo para mim e perguntei se poderia me dar uma camisa assinada, e ele me deu. Eu a guardo [a camisa], está na minha casa”, concluiu Ferrer, mostrando-se realmente um grande fã de Lleyton Hewitt.

banner
banner