X
banner

'Há muita desconfiança de jogadores e torneios', diz presidente da ATP

Sexta, 10 de junho 2022 às 17:18:44 AMT

Link Curto:

Tênis Profissional

Andrea Gaudenzi, presidente da Associação dos Tenistas Profissionais, deu mais detalhes em coletiva de imprensa sobre a reestruturação da entidade a partir de 2023 com mudanças no calendário principalmente.



A mudança vem sendo construída e chamada de OneVision. Torneios como Roma, Madri e Xangai passarão a ter 12 dias a partir de 2023 e Cincinnati/Canadá a partir de 2025. Ele destacou que a desconfiança de atletas e torneios é o maior obstáculo na nova empreitada.
“Há um pouco de medo por parte de todos. Todas as partes se comprometeram a se concentrar no objetivo de longo prazo de melhorar nosso esporte, deixando de lado o egoísmo e a retaliação. Acima de tudo, há uma completa falta de confiança entre os jogadores e os torneios. Acho que se justifica em parte porque estamos falando de uma sociedade onde os jogadores nunca tiveram a oportunidade de acessar as contas econômicas dos torneios e são pagos com prêmios em dinheiro sem saber se é justo ou não. Isso sempre levou a brigas. Então o mais difícil foi se livrar do egoísmo individual, o que é compreensível, porque é um esporte individual, e cada jogador e cada torneio pensa em si mesmo; mas tem que haver alguém que pense no bem coletivo. É difícil encontrar alguém que faça isso e que tenha a confiança e as delegações de todos”. 

Gaudenzi comentou sobre um órgão regulador do circuito:  “Eu esperava encerrar o assunto em um ano e meio, mas há um número impressionante de detalhes que precisam ser trabalhados. Certamente haverá uma solução progressiva, entretanto já começámos a colaborar em alguns pormenores como formato, competição, regras… Não iremos a velocidade supersonica, apesar de estarmos muito motivados para fazer. Você tem que decidir o sistema de votação, estabelecer um ponto de partida. É difícil estabelecer prazos, embora seja difícil imaginar menos do que alguns anos."

Sobre o calendário e os Masters 1000 mais inchados, ele apontou: "Há uma reorganização. Olhando para o calendário você pode ver que são duas semanas que impactam o calendário de 2025. Os ATP 250 estão em movimento. A ideia é potencializar o Masters 1000 para diminuir a lacuna que existe com os Slams, que de o curso ainda é muito grande. O que todo mundo quer ver são os jogadores mais fortes nos maiores eventos. Queremos dar aos espectadores uma história contínua, desde o início do ano até o fim. Queremos fortalecer um modelo que já funciona, que de Indian Wells e Miami, que têm esse formato há quase trinta anos. Madri e Roma se tornarão torneios de 96 jogadores por quatro semanas. Vencer Madri e Roma consecutivamente hoje significa vencer dez jogos em doze dias, um esforço incrível e arriscado em termos de lesões. Em vez disso, chaves de 96 jogadores permitem um intervalo mais longo. É verdade que há um jogo extra, mas há uma programação melhor e o envolvimento dos jogadores é mais bem gerenciado. Os outros torneios serão reorganizados em torno desses dois eventos. No futuro, considerando o limite de 16 eventos ATP 500, tentaremos trazer alguns eventos ATP 250. Mesmo esses torneios ficariam felizes se houvesse menos torneios nesta categoria. Também gostaríamos de agendar Challengers na segunda semana do Masters 1000 para aqueles jogadores que perdem nas primeiras rodadas. Quanto a Monte Carlo e Paris-Bercy, a ideia de longo prazo é ter nove Masters 1000 combinados. São dois torneios que apresentam alguns problemas em termos de infraestrutura, mas a ideia é fazê-los crescer também. Quanto a Bercy, é natural que no final do ano os jogadores se acostumem com o cansaço e as lesões, principalmente aqueles que já se classificaram para o Finals”.

Gaudenzi explicou sobre a questão Indian Wells e a polêmica de Wimbledon: “Indian Wells é o único torneio que teve proteção de categoria por 50 anos em 2003. E também foi o torneio que mais investiu. É difícil pedir a um torneio que gaste milhões se ainda puder ser rebaixado no ano seguinte. Será criado um comitê composto por um representante do jogador, um representante do torneio e um terceiro representante independente que definirá, considerando as peculiaridades únicas de cada torneio, as regras do torneio. Por exemplo, a razão pela qual Monte Carlo não pode ser solicitado a adicionar quatro quadras: regulamentos que visam elevar o nível, com estádios maiores, cobertos, mais espaço para mídia e jogadores. Este é o endereço". A polêmica de Wimbledon “A razão pela qual removemos os pontos em Wimbledon é bem conhecida; é uma questão de justiça e discriminação em resposta a uma decisão unilateral do torneio que não consideramos correta. Tal decisão deveria ter sido tomada coletivamente envolvendo todos os sete componentes do tênis. Esta história mostra, mais uma vez, que precisamos de uma governança única no tênis. Dito isto, ficaríamos muito felizes em devolver os pontos a Wimbledon se a proibição aos russos e bielorrussos, que disseram estar dispostos a fazer declarações por escrito porque nenhum deles é pró-guerra, fosse levantada.

“Do ponto de vista do ranking, queremos ter um ranking em 2022 onde todos os jogadores tenham acesso à mesma quantidade de pontos. Esta é a única maneira de ter uma classificação justa no final do ano. Se dermos proteção a quem jogou bem em Wimbledon em 2021, seria ainda mais injusto para quem jogou bem em 2022. Não podemos proteger sete ou oito jogadores causando ainda mais dano a todos os outros. Infelizmente faltarão pontos em Wimbledon no ranking de fim de ano, mas do nosso ponto de vista é a escolha mais justa e a WTA concorda conosco.”

“Nos encontramos em uma situação em que ninguém queria estar. Respondemos a uma decisão unilateral de Wimbledon e teríamos preferido tomar essa decisão junto com todas as outras, também para ter uma uniformidade de ação. Agora, em poucos dias, a USTA tomará sua decisão, Roland Garros tomou sua decisão, e cada um segue seu caminho. Essa é outra razão pela qual a governança precisa se unir. Do nosso ponto de vista, seria difícil olhar para o outro lado quando havia 60 jogadores envolvidos nesta decisão, jogadores que, do ponto de vista deles, estavam dispostos a fazer tantas coisas, e que não fizeram nada de errado e que não estão apoiando o que está acontecendo".

“Eu entendo a questão da propaganda e os argumentos que Wimbledon traz, mas no final das contas, calculando tudo, somos um esporte global e devemos usar nossa plataforma para nos unir, sem discriminar as pessoas por causa do passaporte. Espero que isso nunca aconteça novamente, e espero que seja um acidente que nos leve a sentar em uma mesa para conversar."

Sobre o ATP Finals, ele aprovou a estreia em Turim em 2021: “A primeira edição do Nitto ATP Finals em Turim para mim foi extraordinária, considerando que ainda estávamos em meio ao COVID, que envolveu várias incertezas na venda de ingressos. Então esperamos ter um italiano na final, o que certamente aumentaria a venda de ingressos. Em relação à edição do próximo ano, a chamada ainda não foi lançada; ainda estamos em modo de reflexão para o NextGen. Como o evento não dá pontos, não é um grande problema para a programação, e agendar o evento em dezembro pode ser interessante, já que é um mês bastante vazio e provavelmente os jovens jogadores ainda têm muita energia e vontade de jogar . Estamos considerando várias opções, incluindo a fusão com um evento semelhante para a WTA, porque seria bom ver todas as promessas do futuro juntas. Há também a hipótese de maior integração com o ATP Finals, embora a questão logística não seja fácil de resolver, pois implicaria ter muitas partidas em um dia. Gostamos muito do formato NextGen, eles estão produzindo os resultados do futuro e é um ótimo formato que permite testar soluções inovadoras”.

Uma possível mudança no formato da ATP Cup também foi aventada por Gaudenzi: "Temos um acordo com a Tennis Australia também para 2023, mas estamos em negociações. Acho que sempre fui honesto o suficiente para dizer que ter dois eventos como a Copa Davis e a Copa ATP tão próximos não é bom para o nosso esporte. Uma solução precisa ser encontrada, e isso é mais uma prova de que essas decisões precisam ser tomadas em conjunto, porque se você criar confusão, o público tende a se afastar."

banner
banner