X

Pietrangeli comemora 60 anos de Roland Garros: 'Mal dava para pagar a casa'

Domingo, 17 de maio 2020 às 12:35:30 AMT

Link Curto:

Tênis Profissional

Nicolas Pietrangeli, lendário tenista italiano, concedeu entrevista ao jornal de seu país Gazetta Dello Sport, em comemoração aos 60 anos da conquista do bicampeonato do torneio em 1960. Dentre as revelações, o pouco dinheiro que ganhava pela conquista.



O tênis só veio a se tornar profissional em 1969 com o início da Era Aberta: "O prêmio era de 150 dólares. Em 1960, um dólar valia 620 liras, então ganhei 93.000 liras . Em Roma, eu morava em uma casa que não era grande demais para alugar por 55.000 liras por mês. Na prática, com o sucesso em Paris, paguei quase dois meses", lembrou.

"Em 1964, fui para a final contra Manolo Santana e antes do jogo fizemos uma aposta: à noite, o perdedor pagaria pelo jantar. Perdi e honrei o compromisso: éramos dez, esposas e amigas, incluindo Luisito Suarez convidado por Manolo. Com o prêmio, mal cobri a noite. No ano passado, Dominic Thiem, derrotado na final, levou um milhão e duzentos mil euros: você sabe quantas noites ele poderia ter proporcionado ?"

Pietrangeli comentou como era a vida parisiense na época: "Espumante. Mas não me entenda mal: o tênis era nosso trabalho de qualquer maneira e tentamos fazê-lo da melhor maneira, com profissionalismo . Claro, não havia tensões agora, o interesse imoderado pelos personagens, a atmosfera quase militar pela qual cada tenista permanece apenas duas semanas com seu time. Saíamos juntos depois dos jogos , tive a oportunidade de conhecer o dono do Crazy Horse e no ano seguinte ele me deu um apartamento pelas duas semanas do torneio e, portanto, evitei o hotel do evento" .

"Sobre mim, tudo e mais foi escrito, e quase sempre falsidade. Você acha que uma vez, antes da final, apareceu um artigo nas revistas que dizia que eu fiquei em um clube até as cinco e eles me levaram de volta ao hotel. Eu gostava de ir para o mundo bonito, mas como jogador, nunca fui dormir depois da meia-noite . Em Montecarlo, no Jimmy's , a boate que era um pouco do nosso ponto de encontro durante o torneio, os garçons me conheciam tudo e eu nem precisava pedir o de sempre, porque eles já sabiam: uma coca com gelo. Além da vida doce!" .

banner
banner