X
banner

US Open obriga tenistas a assinarem documento polêmico

Domingo, 09 de agosto 2020 às 13:14:14 AMT

Link Curto:

Tênis Profissional

Polêmica entre os jogadores e o torneio do US Open. Foi divulgado neste domingo um documento onde os jogadores são obrigados a assinar e que isenta o evento de qualquer culpa por casos da COVID-19 e até mesmo por morte em decorrência da doença.



E é que o documento elaborado pela USTA não permitirá que jogadores denunciem a instituição em hipótese alguma. Imagine, por um momento, que há uma falha de segurança no protocolo devido ao COVID-19 e o jogador pega o vírus. Você poderia relatar negligência? Não. Conforme especifica o documento, o jogador “voluntariamente assume total responsabilidade por qualquer risco, incluindo morte, que possa ser assumido por ele ou por outras pessoas com quem esteja em contato, seja em decorrência de sua presença em as instalações, por negligência do Centro Nacional de Tênis ou por qualquer outro motivo. "

Um raciocínio escandaloso em um documento que repete esses conceitos em suas linhas. O início está mais de acordo com o que você pode esperar: os jogadores são obrigados a notificar o NTC ou USTA da presença de sintomas ou um positivo antes de entrar nas instalações do torneio, além de um requisito para cumprir com os protocolos COVID-19 impostos pela USTA e pelas medidas de segurança em nível local, estadual e federal.

Na verdade, a USTA notifica neste documento de isenção que o cumprimento de medidas de distanciamento social e protocolos de segurança não o 'vacina' contra o vírus: há sempre um pequeno risco de contraí-lo, e esta é uma situação em que o jogador tem que reconhecer que está correndo riscos (isso já aconteceu em bolhas de outros esportes: ao chegar, muitos jogadores tiveram resultado positivo e posteriormente se recuperaram).

A USTA deixa claro que os jogadores, "na medida do permitido por lei", "renunciam e se comprometem para sempre a não denunciar o NTC, USTA, cidade de Nova York, ATP, WTA e seus respectivos afiliados (.. .) diretores, funcionários, voluntários, patrocinadores (...) por qualquer dano, ação ou causa de ação decorrente de qualquer perda, doença ou lesão, incluindo morte (!) de minha parte ou daqueles em contato comigo, como parte da minha decisão de entrar no local do torneio. "

Por fim, é rejeitado como documento vinculativo cuja validade é "para sempre". Em suma, uma verdadeira loucura que até levanta a possibilidade de uma morte por coronavírus no torneio ... em que a USTA não teria qualquer responsabilidade. Uma forma de se proteger contra possíveis falhas do protocolo e um exercício de pressão sobre os jogadores que os priva de qualquer tipo de direito em tempos de COVID-19. Resta saber se todos assinam este documento de isenção, mas a reação geral é a esperada: perplexidade.

banner
banner