X

Na Linha, Paulinha! - Novas experiências em Floripa e Buenos Aires

Segunda, 05 de março 2007 às 17:30:00 AMT

Link Curto:

Paulinha - Floripa 2

Por Paula Capulo, árbitra brasileira da ATP

Nesta edição da coluna, Paula Capulo conta sobre seu período de férias onde malhou bastante para ficar em forma para a nova temporada. Seus primeiros torneios foram em Florianópolis e Buenos Aires, este último fez jogos da chave principal e ainda foi ovacionada pelo público.

Oi pessoal,

Depois de merecidas férias em casa (é a felicidade para quem vive com as malas pra lá e pra cá), estou de volta ao batente e com algumas novidades.



Logo após meu retorno do México em dezembro, descobri que meu colesterol estava muito alto e imaginei que isso foi o resultado de muitas semanas comendo errado, sem exercícios e sentada na cadeira quase todo o dia. Lá se foi meu plano de ficar de férias comendo o que quisesse.



Meus dias de piscina e sol se transformaram em dias de academia, monitorada e sem chances de escapar. Não posso deixar de agradecer ao meu professor Rogério Menegassi pela paciência e disposição em tentar me ajudar. Foram dois meses difíceis de malhação, mas tudo em nome da saúde. Meu colesterol já baixou e creio que pensarei duas vezes antes de comer “huevos revueltos” toda manhã no México.



Foram também dois meses agradáveis, que pude voltar a encontrar minhas amigas, ficar em casa fazendo nada e acordando de manhã ou de tarde. Mas como tudo o que é demais cansa, já estava entediada de não trabalhar. Foi então que recebi a noticia do torneio Challenger de Florianópolis, de 35 mil dólares. E a melhor noticia estava por vir: fui como arbitra designada pela ATP. Foi algo fantástico, pois em toda minha carreira sonhei com esse momento, de poder estar na cadeira dos challengers e torneios maiores. Foi uma experiência ótima, jogos difíceis e jogadores com bom ranking, já que a data desse torneio foi entre o ATP de Viña Del Mar e do Sauípe.

O torneio foi ótimo, lindo público todos os dias, clima de verão em Florianópolis e foi só o tempo que não ajudou muito.



A chuva fez com que muitos jogos fossem interrompidos. Não posso deixar de elogiar o trabalho do grande Donires, o rei das quadras que fazia mágica com o saibro e transformava as quadras em questão de minutos.



Fiz uma semi final de simples e toda semana foi muito boa, claro que sendo um pouco diferente dos torneios femininos, com os quais estou mais acostumada. A bola muda, as atitudes em quadra mudam, tudo é diferente.

Durante essa semana fui convidada a participar de um intercambio de árbitros, realizado pelo Ricardo Reis e Damian Steiner, da Argentina. Trabalhariam dois árbitros argentinos no ATP do Sauípe e dois daqui iriam para o de Buenos Aires, como juizes de linha. Acabei indo sozinha como representante brasileira e posso dizer que foi a oportunidade da minha vida, pois trabalhei como arbitra de cadeira ate quarta-feira! Primeira vez que fiz jogos da chave principal de um ATP Tour.



Não tenho palavras pra descrever esse torneio. O publico é impressionante, as pessoas vivem o tênis lá. Teve um fato muito legal, que eu me senti em casa. Foi durante um jogo no segundo estádio principal, entre um argentino e um italiano. Tinha um grupo de brasileiros bem atrás de mim e começaram a dizer meu nome: Paulinha, Paulinha.

Nossa, foi muito especial isso. Senti que meu trabalho tá dando os frutos que plantei faz tempo. Mas o impressionante mesmo é o carinho que todos lá tem pelo nosso Carlos Bernardes. Era impossível ele passar despercebido pelo público e uma vez, quando fomos assistir a um jogo, quando ele entrou no estádio o pessoal das arquibancadas começou a gritar: Carlos, Carlos! Ele é mais conhecido lá do que muito jogador. Legal receber esse carinho das pessoas e sem dúvida Buenos Aires é um lugar muito especial.

Churrasco na casa do árbitros em Buenos Aires - abaixo, Alejandro Roldan e Paulinha. Acima da esq. para direita - Jorge Mandl, Patricio Estevez, Alejo Russell, Pedro Bravo, Mariano Burka, Romano Grilotti, Mariano Ink

Agora estou descansando antes de embarcar para São Paulo, Banana Bowl. Faço os dois ITF Juniors do Brasil (Copa Gerdau depois) e sigo para o México, minha segunda casa que já sinto saudades.

Um beijão para todos e até a próxima,

Paulinha

CARTAS:

Paulinha, parabéns e sucesso em sua próxima etapa. Você será a musa das árbitras de cadeira. Delas todas serás a mais gata e das mais competentes, boa sorte.

Oi Francisco,
Muito obrigada, mas essa coisa de musa já é demais! (risos)
Um beijo


PARABÉNS PAULINHA,

FIQUEI MUITO FELIZ DE SABER SUA ATUAL QUALIFICAÇÃO: "BRONZE", SEI QUANTO É DIFÍCIL ESTES TESTES,  SOU MÃE DO RAFAEL MAIA (ÁRBITRO) O ACOMPANHO DE PERTO E VEJO O ESFORÇO DELE SEMPRE. FICO FELIZ POR VOCÊ, E ORGULHOSA POR NOSSO GÊNERO, PRECISAMOS DE MAIS MULHERES ATUANTES EM TODOS OS SETORES DA SOCIEDADE,

PARABÉNS, QUE DEUS TE ABENÇOE, MARIA

Maria,
Muito bom receber um e-mail seu, e sem palavras para agradecer esse carinho. Só as mães sabem realmente o que a gente vive!
Um beijão


Paulinha, em primeiro lugar, parabéns pela sua conquista!  

Gostaria de saber como devo proceder para seguir essa carreira e quais provas ou cursos devo fazer após o da CBT para chegar ao bronze badge, silver badge e finalmente ao gold badge que é o sonho de qualquer árbitro, e que você com certeza conseguirá.

E também gostaria de saber se dá para viver só de arbitragem, já que sou professor de educação física e gosto do que faço. Desde já agradeço a sua atenção. Abraço do Octavio

Oi Octavio,
O primeiro passo é ligar para a federação do teu estado ou para a CBT e se informar das datas dos cursos. Geralmente os árbitros começam como auxiliares em torneios juvenis, fazendo cadeiras e como juizes de linha. Você tem que passar por isso para depois ter o nome indicado para o Nível 2 da ITF, ou seja, o White Badge. Depois é muito investimento de tempo, dinheiro e de afinidade com essa carreira para poder seguir adiante.
Um beijo


Oi Paula,
Fico muito contente por responder meu e-mail. Isso demostra a sua humildade e o respeito pelas pessos que no so te admiram mas como as pessoas ao seu redor. Gostaria de ver você arbitrando um jogo um dia, eu gosto muito de ir ver os jogos de tenis quando no posso ir vejo as partidas pela TV.

Desculpa no vou mais tomar seu tempo e parabns pelas suas conquistas...
Abraços, Juan Julio

Oi Juan,
Eu que agradeço por receber teu segundo e mail. Às vezes demoro para responder devido ao pouco tempo que sobra durante os torneios, ou quando estou de férias.
Um beijo
banner
banner