X

Blog do Marquito - Os jogadores, a torcida uruguaia e o 1º dia do duelo

Quinta, 07 de julho 2011 às 12:12:54 AMT

Link Curto:

Tênis Profissional
Marcos Daniel, que se retirou das quadras recentemente, viveu e sabe como é jogar uma Copa Davis. Por isso ele está em Montevidéu para ajudar o Brasil que enfrenta o Uruguai a partir de amanhã. Ele atendeu o pedido do Tênis News e escreve um blog com detalhes da série.

Daniel estará comentando os jogos do Brasil pelo Twitter. Clique Aqui, Siga-o e mande sua mensagem ou pergunta para ele!

Neste post, o ex-número 56 do mundo, comenta sobre como é jogar no Uruguai e fala dos tenistas locais.

Por Marcos Daniel, direto de Montevidéu

Olá amigos, tudo bem ?

Saí do Brasil rumo ao Uruguai por volta de 11h de ontem (quarta-feira). Após uma escala em Porto Alegre cheguei na capital uruguai uruguaia às 15h30 e logo de cara senti na pele o frio que beirava uns 9 graus, com a sensação térmica de 4º C devido ao vento.

Em menos de 10 minutos, após a saída do Aeroporto, passava em frente ao Carrasco Lawn Tennis Club, situado em um bairro nobre da capital uruguaia.O Carrasco Lawn Tennis é o templo do tênis uruguaio. Um clube sensacional com aproximadamente 20 quadras e que nesta época do ano - devido ao frio e à umidade - deixa extremamente pesadas. A quadra pesada faz com que os jogadores tenham que baixar a tensão de pressão das cordas.



O Carrasco é o palco de todas as competições em Montevidéu, logo o público que ali vai é sempre o mesmo, é fiel, e conhece Copa Davis. Os torcedores são extremamente participativos ajudando o time uruguaio nos mimentos importantes no jogo. E sabe como poucos lugares deixar o atleta adversário nervoso, por vezes o tirando do jogo.

Ontem à noite tive meu primeiro contato com o time na tradicional janta oficial (sempre acontece às quartas-feiras em qualquer confronto). O clima entre os brasileiros era excelente, logo na chegada cumprimentei um por um inclusive os membros da comissão técnica. Foi uma alegria muito grande estar com eles na chegada, me traz alembrança recente dos momentos que eu estava ali jogando, senti o clima. Bateu uma saudade bacana, é muito gostoso estar na Copa Davis.

Nesta janta ocorre o discurso dos presidentes das federações, das autoridades e também o famoso discurso dos juvenis. O clima entre brasileiros e uruguaios era bem amistoso inclusive com o capitão uruguaio, Enrique Perez, contando histórias sobre quando enfrentava o nosso capitão João Zwetsch. Os presidentes de nossas federações também são muito amigos então tudo isso fazia com que o clima ficasse muito agradável.

Mas não posso esquecer do momento onde damos muitas risadas quando os meninos, tanto do Uruguai como do Brasil, dão seus discursos. Fica evidente no rosto deles a preocupação. O Uruguai dessa vez fez três discursos. Pelo lado do Brasil tivemos o Bruno Sant´anna dando um show nos uruguaios. Os três uruguaios deram aquela travada tradicional, afinal se fala pra políticos e convidados ilustres bem na frente do palco. E o Bruno mandou bem. Inclusive vou votar nele pra prefeito quando ele se candidatar futuramente (risos).

Sobre o time uruguaio. Pablo Cuevas é a estrela deles. Jogador extremamente forte fisicamente. Se mexe muito bem na quadra de saibro. Tem como golpe mais sólido a esquerda porém gosta de comandar o ponto com a direita atacando quando a bola está no lado esquerdo da quadra. O que ele faz ? Foge do revés para aplicar este golpe. Possui uma grande arma que é seu saque, gosta de usá-lo com o efeito quique na linha do T e gosta do serviço aberto na esquerda do adversário para abrir aquadra e já sair mandando no ponto com a direita. Nessas condições de quadra pesada faz a diferença esse tipo de serviço.

Marcel Felder é um jogador bem completinho, faz tudo bem direitinho, mas ão tem muita potência nos seus golpes e esse é o grande motivo dele não ter um ranking melhor. Porém é extremamente inteligente dentro de quadra, tem sempre uma tática bem definida pra poder mascarar essa falta de potência.

Martin Cuevas é um jogador que bate muito forte na bola. É forte como o irmão no físico porém não possui a agilidade dentro de quadra como o irmão. É um jovem jogador que ainda oscila bastante durante um jogo, cometendo, em alguns games, muitos erros que dificultam sua situação durante um jogo.

Ariel Behar é um jogador mais fraco tecnicamente do time uruguaio porém nas duplas ele consgue ter um rendimento muito melhor, um dos motivos pelo qual ele acaba entrando nas simples em caso apenas de lesão.

1º dia de Brasil x Uruguai

Pablo Cuevas não vai jogar nesta sexta-feira por conta da lesão no joelho e provavelmente vai entrar apenas nas duplas. Será muito bom pra gente.



Bellucci x Martin Cuevas - Thomaz tem tudo para fazer um bom jogo, melhor do que ele fez em Bauru contra o Martin, tendo em vista as condições aqui no Uruguai a bola está muito mais lenta do que era em Bauru e isso facilitará na devolução de saque, algo que o brasileiro teve dificuldade em Bauru, e também a partir do momento em que ele entrar no ponto devido ao maior controle ele conseguirá mover o Martin de forma mais constante.

Rogerinho x Marcel Felder - Acredito que o brasileiro vem atravessando um bom momento cresceu muito como tenista e amadureceu muito neste último ano. É um jogador muito leve, rápido e tem como característica jogar praticamente o tempo todo com sua direita tentando mandar no ponto. Acredito que o momento mais difícil pro Rogério será no início da partida onde um ou dois games podem decidir um set pois é sua primeira vez jogando uma Davis e só quem jogou sabe como é diferente de um jogo do circuito habitual. Porém com o passar desses games eu vejo o Rogerinho se aclimatando no jogo e tentando impor seu estilo.

Por hoje é só pessoal. Amanhã estarei comentando o jogo pelo meu Twitter. Você pode me seguir e mandar sua mensagem ou dúvida. Clique Aqui!

Abraços,

Marcos Daniel
banner
banner