X

Equipamento - Saiba tudo sobre Cordas - Parte I

Quarta, 25 de agosto 2010 às 14:27:53 AMT

Link Curto:

Diego Vidal - II
Por Diego Vidal e Arcelino Motta - Nosso colunista traz, a partir dessa edição, um artigo, dividido em várias partes, com as perguntas mais frequentes sobre as cordas, parte fundamental para uma raquete. Arcelino Motta ajudou na tradução do artigo.

Na primeira parte trazemos seis perguntas.

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES SOBRE CORDAS PARA RAQUETE DE TÊNIS

1. O que é tripa sintética?
A corda comumente conhecida como tripa sintética é confecciona em nylon e sua configuração estrutural básica de fabricação está demonstrada na figura abaixo. Ou seja, a corda é composta por uma alma (núcleo) de nylon sólido, circundado por uma envoltura simples de filamentos mais finos, retorcidos e emparelhados lado a lado. Externamente a corda é revestida por uma camada de silicone para reduzir o atrito. Como diz o nome este tipo de corda foi desenvolvido para simular as características de uma corda de tripa natural.



2. Quais são as principais características que diferenciam os tipos de cordas?
O material usado em uma corda (por exemplo: nylon no caso de tripa sintética, poliéster ou o Kevlar), a construção da corda (uma alma sólida circundada por uma envoltura simples de filamentos mais finos no caso da tripa sintética), e a espessura, (diâmetro da corda) definem as características essenciais de uma corda.

3. Diferentes marcas de cordas atuam diferentemente?
Cordas feitas do mesmo material, construção e espessura têm características muito similares, independente de qual seja sua marca. Apesar dos fabricantes dedicarem tempo e esforços para criarem uma imagem exclusiva de suas cordas, os resultados de teste científicos publicados pelo USRSA (United States Racquet Stringers Association, Junho e Julho, 2000 edições da Racquet Tech) demonstram que o material, a construção e a espessura são muito mais importantes do que a marca da corda na determinação de suas características. E ainda, dentre essas três variáveis, o material do qual a corda é feita, é de longe a característica mais importante.

4. Visto que o material (do qual a corda é feita) é tão importante, quais os materiais que existem no mercado?
Os materiais mais comuns para corda de tênis são: Tripa natural, Nylon, Poliéster e Kevlar. Testes da USRSA revelaram que a rigidez dinâmica de uma corda (Entenda como RIGIDEZ DINÂMICA a elasticidade da corda após ter sido tencionada, ou seja, quando está encordoada na raquete) “determina quase tudo” em termos de características da corda. Quanto menos rígida for uma corda, mais confortável será a rebatida de um golpe. A Tripa natural é o material menos rígido, seguido respectivamente pelo nylon, poliéster e Kevlar. A tripa natural é o material mais elástico, logo em seguida, muito próximo está o nylon, já o poliéster é bem mais rígido. O Kevlar por sua vez é o mais rígido de todos. Ao nível de rigidez, a diferença é maior quando se vai do poliéster para o Kevlar do que quando se vai da tripa natural para o nylon, e até mesmo do nylon para o poliéster.

5. Se a tripa natural é a melhor, porque ela não é usada por todo mundo?
A tripa natural é inegavelmente a melhor corda que um tenista pode usar, e a maioria dos jogadores profissionais de ponta a utiliza. Lamentavelmente, a tripa natural é muito cara, o preço de um set para encordoar uma raquete varia de US$ 25 a US$ 35. O motivo da tripa natural ser tão cara é devido a complexidade na sua fabricação. Estas cordas utilizam com matéria prima à tripa do intestino da vaca ou do carneiro e exige muito trabalho para transformá-la em corda. Longas faixas de intestino são limpas para expor a camada de colágeno, conhecida como “serosa”, então elas são cortadas em faixas, secadas no sal por várias semanas, entrelaçadas para formar a estrutura de uma corda, e após colocada para secar por aproximadamente um dia. Depois então é coberta por uma camada de proteção de poliuretano e finalmente embalada para ser comercializada. A elasticidade da tripa natural é aparentemente devida à necessidade do intestino de expandir-se drasticamente quando recebe uma grande refeição, e de contrair-se após a digestão. A melhor marca conhecida de tripa natural é a BABOLAT VS (você já deve ter notado o logo desta marca, caracterizada por duas linhas paralelas desenhadas próximas a garganta das raquetes). Pete Sampras as usava e era conhecido por ter suas raquetes re-encordoadas antes de cada jogo, independentemente das cordas terem ou não sido usadas! A qualidade das cordas sintéticas, ao longo do tempo, foi melhorando com o emprego de novas tecnologias na fabricação. Com isso a tripa natural foi perdendo gradualmente sua popularidade entre os jogadores de ponta.

6. Uma vez que a tripa natural é tão cara, como escolher uma corda mais barata?
Anteriormente nós vimos que a corda conhecida comumente como tripa sintética é feita de nylon e sua construção consiste de uma alma sólida circundada com uma envoltura de filamento simples. A razão pela qual a tripa sintética é a corda mais usada no tênis é que o nylon é apenas um pouco mais rígido que a tripa natural, e a construção do tipo alma sólida/ (envolvida com filamentos simples) tem baixo custo na fabricação. Em resumo, a tripa sintética consegue um excelente equilíbrio entre qualidade e preço.

Pode se aumentar à elasticidade da corda de nylon utilizando uma construção diferente. Ao invés de termos uma alma sólida circundada por filamentos finos, a corda pode ser construída inteiramente por filamentos finos de nylon. Estas são conhecidas como cordas de multifilamentos e testes da USRSA mostram que sua elasticidade fica ainda mais próxima daquela da tripa natural do que a elasticidade da tripa sintética construída com alma sólida/ (envolvida com filamentos simples). A figura abaixo mostra a construção do tipo alma multifilamento / (envolvida com filamentos simples). A camada com filamentos ligeiramente maiores (filamentos de amarração) é usada para aumentar a durabilidade porque cordas de multifilamentos normalmente não duram tanto quanto tripa sintética. Os testes da USRSA mencionados acima mostraram que as cordas de construção alma de multifilamentos envolvida com filamentos simples são tão elásticas quanta as cordas compostas inteiramente de filamentos mais finos. Cordas multifilamentos (com ou sem envoltória externa de filamentos simples) custam mais que as cordas de alma sólida, mas oferecem melhores características de jogo (facilidade na rebatida da bola).



O artigo foi traduzido por Arcelino Mota e extraído da United State Racquet Stringer Assocciation. Arcelino é o encordoador da Equipe de Treinos de Diego Vidal.

Dúvidas e Sugestões:
arcelino2@yahoo.com.br
equipediegovidal@gmail.com
banner
banner