X

Guga comemora 10 anos do 1o. título em Roland Garros

Sexta, 08 de junho 2007 às 08:25:00 AMT

Link Curto:

Guga 1997
O tênis brasileiro comemora, nesta sexta-feira, dia 08 de junho, uma data especial, os 10 anos da primeira conquista do título de Gustavo Kuerten, em Roland Garros.

Especial Jogo a Jogo a Campanha de 1997

O troféu, inédito no País, transformou a história do esporte no Brasil e marcou o início de uma trajetória de muito sucesso do catarinense, no esporte mundial. Da primeira conquista em Paris, seguiram mais 19 títulos, entre eles outros dois em Roland Garros (2000 e 2001) e o da Masters Cup, em Lisboa (2000). Com todos estes troféus, Guga chegou também ao lugar mais alto do ranking mundial, o de número um, em dezembro do ano 2000, onde permaneceu por 43 semanas. Sem poder competir em Roland Garros neste ano, investindo no trabalho físico e longe das celebrações, Guga está em Camboriú, Santa Catarina, treinando com o objetivo de voltar a competir em alto nível.

“É claro que eu gostaria de estar jogando em Roland Garros. Mas não posso ficar chateado, pensando nisso todos os dias. Se não fui esse ano é porque quero estar lá, jogando, no ano que vem,” disse Guga. “Roland Garros é o meu torneio favorito. Foi lá que tudo aconteceu para mim.” Dez anos depois, Guga lembrou da trajetória de 1997, em que para conquistar o título precisou vencer três ex-campeões de Roland Garros. Ele ganhou, na sequência de Slava Dosedel, Jonas Bjorkman, Thomas Muster, Andrei Medvedev, Yevgeny Kafelnikov e Sergi Bruguera.

“Cheguei em Paris, naquele ano, com boas expectativas. Estava jogando bem, tinha acabado de ganhar um Challenger no Brasil e tinha esperanças de fazer uma boa campanha, mas não imaginava que fosse ganhar o título. Comecei com duas primeiras rodadas bem duras, ganhando do Dosedel e do Bjorkman e depois veio o jogo contra o Muster, que foi o que abriu as portas para o título.

Me lembro que chegou um momento do jogo em que achei que não fosse aguentar. Nunca tinha jogado uma partida de cinco sets em um Grand Slam. Aí consegui ganhar e veio o Medvedev, num jogo que teve que ser interrompido no meio. Foi uma partida muito equilibrada, com nós dois tendo chances o tempo todo, até que eu ganhei. Contra o Kafelnikov, o jogo esteve muito mais para ele. Estava duríssimo, ele não me dava espaço, mas na única oportunidade que tive, e foi uma só, aproveitei.

A semifinal foi o primeiro jogo em que enfrentei um cara mais ou menos na mesma situação do que eu, que nunca tinha chegado naquele estágio em um Grand Slam. Me preparei para um jogo bem duro e ganhei bem.

Contra o Bruguera, na final, fiz o meu melhor jogo no torneio. Entrei muito relaxado, tranquilo, sabendo o que fazer, sem pensar que estava jogando a final de Roland Garros, só pensando em soltar o braço, como o Larri (Passo) vinha me dizendo o torneio inteiro.”

O tenista falou que quando ergueu o troféu de campeão veio um filme na sua cabeça, da trajetória da sua carreira. “Vieram imagens desde quando eu comecei a jogar bem criança, passando pelo juvenil, quando comecei a viajar, até chegar naquele momento, que foi a concretização de todo um trabalho de muitos anos. Foi a realização de um sonho.”

Maior ícone do tênis do Brasil, Guga continua na luta para voltar a jogar em alto nível, depois de ter passado por duas cirurgias no quadril (2002 e 2004) e lamenta a falta de resultados do tênis brasileiro e de projetos qualificados no País. “É triste. Realmente não foi aproveitado nada em termos de desenvolvimento e estrutura. A parte de crescimento especializado no esporte, com projetos mais profissionais ficou bem a desejar. O que mudou completamente foi a divulgação do tênis, o número de pessoas jogando e o surgimento de projetos sociais. Faltou um programa qualificado para que pudéssemos ter mais tenistas de ponta.”

Sobre a sua volta ao circuito, Guga disse que assim que estiver pronto, viajará para competir. “Estou em busca de uma regularidade. Estou trabalhando, fazendo de tudo o possível para estar bem fisicamente, com força na perna direita, sem oscilaç˜øes. Assim que tiver esta certeza volto a competir. Ainda tenho este sonho de voltar a competir em alto nível.”

GUGA EM ROLAND GARROS – A campanha de 1997

Guga d. Dosedel, Slava (CZE) 6-0 7-5 6-1
Guga d. Bjorkman, Jonas (SWE) 6-4 6-2 4-6 7-5
Guga d. Muster, Thomas (AUT) 6-7(3) 6-1 6-3 3-6 6-4
Guga d. Medvedev, Andrei (UKR) 5-7 6-1 6-2 1-6 7-5
Guga d. Kafelnikov, Yevgeny (RUS) 6-2 5-7 2-6 6-0 6-4
Guga d. Dewulf, Filip (BEL) 6-1 3-6 6-1 7-6(4)
Guga d. Bruguera, Sergi (ESP) 6-3 6-4 6-2

Todas as Finais da Carreira

1997 Roland Garros /saibro - Guga d. Sergi Bruguera
1997 Bolonha / saibro - Felix Mantilla d. Guga
1997 Masters Series Montreal / rápida - Chris Woodruff d. Guga
1998 Stuttgart / saibro - Guga d. Karol Kucera
1998 Mallorca / saibro - Guga d. Carlos Moya
1999 Masters Series Monte Carlo / saibro - Guga d. Marcelo Rios
1999 Masters Series Roma / saibro - Guga d. Patrick Rafter
2000 Santiago / saibro - Guga d. Mariano Puerta
2000 Masters Series Miami / rápida - Pete Sampras d. Guga
2000 Masters Series Roma / saibro - Magnus Norman d. Guga
2000 Masters Series Hamburgo / saibro - Guga d. Marat Safin
2000 Roland Garros / saibro - Guga d. Magnus Norman
2000 Indianápolis / rápida - Guga d. Marat Safin
2000 Lisboa / rápida indoor - Guga d. Andre Agassi
2001 Buenos Aires / saibro - Guga d. José Acasuso
2001 Acapulco / saibro - Guga d. Galo Blanco
2001 Masters Series Monte Carlo / saibro - Guga d. Hicham Arazi
2001 Masters Series Roma / saibro - Juan Carlos Ferrero d. Guga
2001 Roland Garros / saibro - Guga d. Alex Corretja
2001 Stuttgart / saibro - Guga d. Guillermo Canas
2001 Cincinnati / rápida - Guga d. Patrick Rafter
2001 Indianápolis / rápida - Patrick Rafter d. Guga
2002 Brasil Open / rápida - Guga d. Guillermo Coria
2002 Lyon / carpete indoor - Paul Henri Mathieu d. Guga
2003 Auckland / rápida - Guga d. Dominik Hrbaty
2003 Indian Wells / rápida - Lleyton Hewitt d. Guga
2003 São Petesburgo / carpete indoor - Guga d. Sargis Sargsian
2004 Viña del Mar / saibro - Gonzalez d. Guga
2004 Brasil Open / saibro – Guga d. Calleri

Fonte: Diana Gabanyi
banner
banner