X

CBT lança Equipe Nacional permanente Masculina

Sexta, 04 de maio 2007 às 21:12:23 AMT

Link Curto:

Tênis Profissional
Projeto Top 10 e Equipe Nacional Permanente Masculina são as novas ações que a Confederação Brasileira de Tênis- CBT- coloca em prática a partir deste mês de maio, visando o desenvolvimento do tênis no País.

A Equipe Nacional Permanente, assim como no feminino, será formada por pré-profissionais com idade entre 18 e 23 anos, entre os melhores do Brasil. Foram convocados Ricardo Hocevar, Caio Zampieri, Thomaz Bellucci, Leonardo Kirche, Tiago Lopes, Alexandre Bonatto, João Souza(Feijão), André Miele, Nicolas Santos e Daniel Silva. Além dos encontros nacionais de treinamento, o grupo terá direito a acompanhamento técnico do capitão da equipe brasileira da Copa Davis, Francisco Costa, nos torneios selecionados pela comissão técnica.

"O grande problema dos tenistas brasileiros ao longo da história sempre foi a transição do juvenil para o profissional. Nossos atletas acabam perdendo muito tempo por falta de orientação e consequentemente não desenvolvem todo o seu potencial. A partir de agora, vamos monitorar nossos jovens para que estejam sempre no caminho correto", explicou Francisco Costa.

O Projeto Top 10 vai investir, a partir de agora e até o final desse ano, R$ 100 mil da Lei Agnelo Piva, que serão distribuídos em forma de crédito de R$ 10 mil para cada um dos 10 primeiros tenistas brasileiros no ranking da Associação de Tenistas Profissionais(ATP) do dia 30 de abril: Flávio Saretta, Thiago Alves, Ricardo Melo, Marcos Daniel, André Ghem, Rogério Dutra Silva, André Sá, Julio Silva, Franco Ferreiro, Lucas Engel. Os atletas têm direito ao crédito, tendo como contra-partida a participação nos encontros nacionais de treinamento. Gustavo Kuerten não entra na lista pelo ranking, mas está convidado a participar dos encontros.

Os principais objetivos da CBT, com a implementação dos dois projetos, é melhorar o desempenho dos tenistas brasileiros no ranking mundial, no Pan-Americano de 2007, no Rio de Janeiro, e a longo prazo, na formação de novos atletas que possam figurar entre os melhores do mundo.

"O principal objetivo dessa iniciativa é fazer com que nossos melhores tenistas tenham condições de viajar com o acompanhamento de um técnico. O tênis está cada vez mais competitivo e viajando sozinho fica muito complicado melhorar o ranking para quem já está jogando challengers ou ATP Tours", completou Costa.

Neste início de ano, a CBT já tirou do papel três grandes projetos para o tênis masculino brasileiro. O primeiro foi o Troféu Brasil de Tênis- Campeonato Interclubes, parceria da Confederação Brasileira de Tênis e da Confederação Brasileira de Clubes e com patrocínio da Fiat Automóveis, criado para preencher três lacunas dentro do tênis brasileiro: a ausência da disputa entre clubes, com a participação de tenistas profissionais e juvenis, a presença do tênis na televisão aberta e mais uma fonte de renda para os profissionais brasileiros que anualmente defendem clubes europeus em busca de verba para bancar o circuito.

Entre os principais jogadores profissionais do Brasil, 15 participaram da disputa do interclubes que terá a final no segundo semestre, reunindo os quatro finalistas das etapas classificatórias: Pinheiros, Paineiras, Itamirim e Minas Tênis.

“O Troféu Brasil de Tênis, as Equipes Permanentes e o Projeto Top 10 faziam parte do nosso planejamento desde o início e finalmente conseguimos colocar em pratica. Temos muitos outros projetos em andamento e o mais importante é que, apesar das dificuldades, estamos concretizando ações para o desenvolvimento do tênis em todas as categorias e modalidades”, disse Jorge Lacerda da Rosa, presidente da CBT.

Fonte: Imprensa CBT
banner
banner