X

Diário de Salinas - Na ponta da América, No Jet-Ski e com Daniel!

Sábado, 10 de março 2007 às 15:53:56 AMT

Link Curto:

Tênis Profissional

Por Fabrizio Gallas, direto de Salinas

Uma sexta-feira de tirar o fôlego no litoral equatoriano de Salinas. Tivemos uma folguinha pela manhã, início da tarde e aproveitamos para passear pela cidade, ir à praia e desfrutar um pouco do jet-ski. Na parte da noite, um jogo duríssimo e muito nervoso que levou Marcos Daniel para fazer a primeira final brasileira na temporada.

Durmimos um pouco a mais que o habitual e nós, pessoal da imprensa, aproveitamos o dia para conhecer a ponta e praia de Chocolatera. É a ponta mais oeste da América do Sul e o é um mar muito bravo com várias pedras, arrecifes - em uma das fotos da turma, a onde veio e me molhou um pouco nada demais hahaha.

Detalhe que o local fica em uma área militar onde a entradas é proibida. Como estavamos com o fisioterapeuta do torneio (que trabalha lá), não tivemos problema e demos o aquele famoso jeitinho brasileiro para entrar. Há poucos anos atrás a Chocolatera era muito visitada era um local público com bares e tal. Mas como o mar é bravo, e há algumas pedras rochosas que desembocam em um precipício, se torna muito perigoso, tendo então muitos acidentes.

Depois desse passeio fomos até a praia mais balada de Salinas, a praia de Chipipe, bem cheia em sua sexta-feira. Ela é muito calma, tem poucas ondas, praticamente uma piscina. O legal é que tem muitos esportes naúticos onde se pode alugar o que eles chamam de ciclenautico (uma espécie de pedalinho para 4, 5 pessoas. Eu me aventurei no jet-ski com um amigo da imprensa. O preço, 10 dólares, 15 minutos, não muito caro (aqui a moeda usada é o dólar já que o país teve uma grave crise de desvalorização em 1999).

Claro eu tinha que dirigir o que eles chamar de motonaútico. Foi muito divertido e emocionante. Minha segunda vez e primeira em auto-mar. Iniciei devagar para pegar a manhã ver o tamanho das ondas e ter muito cuidado com os barcos, iates que passam a todo momento e que vekm do Salinasd Yatch Clube onde se realiza o torneio. Depois perdi o receio e acelerei tudo pulando nas ondas, fazendo curvas bem rápido. É muito legal, quem gosta de aventura deve fazer.

Depois da diversão, tomamos um banho rápido fomos ao clube. A partida de Marcos Daniel que encerrou a programação foi muito emocionante. Marquito não esteve muito sólido principalmente com sua direita, mas se sobressaiu nos momentos importantes, contando um pouco com o nervosismo de Natan Healey que deu os dois sets ao brasileiro com duplas-faltas. A torcida compareceu em peso e ficou digamos um pouco mais para o brasileiro. Eu sou jornalista, mas não pude me conter e torci um pouco para o gaúcho.

Na quadra central a torcida pode ficar assistindo em pé do lado da quadra como eu fiz. Fiz amizade com alguns juízes de linha e aproveitei para por um pouco de pressão e encher o saco deles. Dei umas "pedaladas", aquelas mesmas do "Pedala Robinho" do Pânico na TV e ficava cochichando no ouvido deles, ao meu lado estava o árbitro geral do torneio, o chileno Pedro Bravo, hahaha. Mas isso não influenciou em nada, foi apenas para brincar com amigos.

O fim da partida assisti com o técnico de Thiago Alves que joga hoje a final de duplas com Franco Ferreiro. Edvaldo Oliveira o nome dele, muito boa pessoal por sinal. Impressionante o que a vivência do tênis traz. ENo último game, o australiano teve 40/;15, Daniel empatou, logo assim Edvaldo me disse: "Ele vai fazer dupla-falta para dar o break e depois para dar o jogo". Não deu outra, uma dupla-falta, break, depois outra para o jogo.

Depois da partida ontem caminhavamos pela orla e encontramos os dois finalistas. Daniel jantava com o argentino Cristian Villagran enquanto Juan Pablo Brzezicki passava pelo restaurante. Os dois jogam a decisãohoje às 23h30.

Vamos torcer pelo Marquito! Inté!
banner
banner