X

Feijão curte reconhecimento após jogo histórico: ‘É um momento muito gostoso'

Terça, 17 de março 2015 às 08:30:00 AMT

Link Curto:

Tênis Profissional

Por Marden Diller - Com os holofotes totalmente virados para si, Feijão passou a ser o mais novo foco do esporte no Brasil. No entanto, os mesmos feitos que chamaram a atenção do público para o tenista também lhe trouxeram alguns momentos diferentes.

 



A boa campanha nos torneios brasileiros e as atuações fenomenais na primeira rodada da Copa Davis chamaram a atenção do mundo para o paulista de 26 anos de idade. Morador do Rio de Janeiro há 10 anos, João Olavo de Souza, o Feijão, vive hoje um status de reconhecimento que nunca havia experimentado antes. 

 “A Davis causou um impacto bem grande na minha imagem pública. Eu voltei pro Rio há 3 ou 4 dias e andando na rua com minha irmã, passeando pela Zona Sul do Rio, no aeroporto, as pessoas comentam, apontam, nunca tinha sido assim. Apesar de o Brasil ter saído com a derrota, a coisa toda tomou uma proporção muito grande. Mas está sendo muito legal, acho que é o que todo mundo almeja, independente da profissão todo mundo quer receber reconhecimento, seja de quem for, então está sendo uma coisa muito gostosa viver esse momento,” comentou o brasileiro.

Além do reconhecimento do público nas ruas, Feijão também espera ser visto de uma forma diferente pelos demais tenistas do circuito, já que agora está mais que provado que ele pode sim jogar em altíssimo nível.

“Eu espero que me olhem diferente agora, já que todos sabem os resultados de todo mundo, principalmente pelo mundo do tênis ser um mundo muito pequeno. Acredito que agora quando chegar em Miami alguns amigos mais chegados com certeza virão comentar comigo. Pelo menos na parte física eu sei que ninguém vai duvidar de mim, creio que poucos tenistas na história jogaram 7 horas como eu,” comentou aos risos. 

Mas nem só de bons momentos se constituiu o reconhecimento do brasileiro após as partidas da Copa Davis. Feijão foi alvo de alguns insultos raciais por parte da torcida argentina, tanto no local da partida quanto pelas redes sociais. Ele, por sua vez, minimizou os fatos e fez questão de esclarecer que isso não o atrapalhou em nada.

“Em alguns momentos, principalmente na segunda-feira, quando eu levantava pra gritar, eu e o Bruno (Soares) aliás, eu ouvi gritos de ‘segura a banana ae, Souza’, ‘senta ae, macaco’, e nós rimos bastante da situação,” comentou. “Depois eu vi algumas pessoas no Twitter me chamando de macaco também, mas foi uma coisa muito pequena, na minha opinião, e não influenciou em nada o confronto. Em momento nenhum eu me preocupei em saber quem fez ou procurar quem foi. Na verdade a torcida se comportou até melhor do que eu esperava.”

Logo após essas ofensas tornarem-se públicas, as federações envolvidas tomariam medidas para investigar os agressores. Feijão, no entanto, fez questão de esclarecer que a situação, pelo menos por parte da CBT, foi resolvida de forma extremamente amistosa.

“Houve uma troca de e-mails envolvendo todo mundo e, pelo menos da parte da CBT, não haverá queixa nenhuma,” finalizou o número 1 do Brasil com um sorriso estampado no rosto.

 

banner
banner