X

Espanha faz mistério se diz preparada para ambiente hostil em SP

Terça, 09 de setembro 2014 às 12:20:59 AMT

Link Curto:

Tênis Profissional
Por Ariane Ferreira - A equipe espanhola da Copa Davis também conversou com a imprensa na prévia para o sorteio da Copa Davis na próxima quinta-feira, animados e com muitos segredos, os capitaneados e seu capitão Carlos Moyá pouco revelaram sobre o confronto.

Com a ausência de seus principais jogadores, Moyá fez questão de exaltar os jogadores convocados e reforçar a confiança que tem em sua equipe.

Tanto Marcel Granollers, que chega do US Open como dúvida devido a dores no punho esquerdo, quanto Pablo Andújar, que está voltando de lesão, desconversaram sobre a possibilidade de serem titulares contra o Brasil. Os dois tenistas revelaram estarem evoluindo clinicamente e jogaram a responsabilidade da escalação para o capitão. "Assim como Marcel, estou evoluindo e espero estar disponível para dar opções ao capitão", disse Andújar, que afirma estar livre de dores.

Carlos Moyá não quer saber falar de renovação para sua equipe, ato cobrado por muitos dos especialistas do tênis local já que os principais jogadores da equipe têm estão próximos aos 30 anos ou têm mais. "Não há um futuro aqui e agora a pensar, nosso futuro é esse final de semana e vamos dar tudo", resumiu.

Moyá relembrou o confronto que atuou como jogador em Porto Alegre, contra o Brasil de Guga Kuerten e Fernando Meligeni, em 1999: "É diferente quando se é um jogador. Ali você só se preocupa com o jogo e em ganhar. Bem diferente de agora, que preciso ajudá-los. Mas me lembro que ali o ambiente era infernal. Das eliminatórias que joguei essa é uma das que tenho as melhores recordações, ganhamos de uma equipe forte, que depois nos venceu na Espanha, mas é das eliminatórias que não se esquece. Mas são momentos como aquele que buscamos sempre enquanto jogadores".

"Agora, como capitão, preciso fazer com que os jogadores entendam o comportamento do público. A situação que enfrentarão neste final de semana é possível que nunca tenham enfrentado. Eles terão que jogar muito bem e tentar abster-se do ambiente", relatou Moyá.

Perguntado sobre a preparação para enfrentar o público brasileiro, Marc López sorriu olhando para seu capitão e meio sem graça respondeu: "Não há preparação, eu não acredito. Quando esse tipo de comportamento do público, que na verdade está apoiando seus rivais, você tem que pensar no seu jogo. Não escutar o que te falam, focar no seu jogo. Sabemos que será um ambiente hostil , mas estamos preparados para jogar em todos os ambientes".

Número um da Espanha dada a ausência de seus principais jogadores, Roberto Bautista Agut não se importa muito com a pressão o posto: "Ser o número um ou não... creio que estou aqui com o mesmo objetivo dos meus companheiro, que é de jogar bem e dar um ponto a minha equipe. Tenho jogado muito bem nas últimas semanas e espero manter esse rendimento aqui no Brasil".

banner
banner