X

Teliana destaca confiança e ganho de experiência para decolar

Terça, 15 de abril 2014 às 08:00:00 AMT

Link Curto:

Tênis Profissional
Por Fabrizio Gallas - Em bate-papo com o Tênis News, a pernambucana Teliana Pereira, número 1 do Brasil, destacou seu momento atual, sua maior vitória da carreira, contra Sorana Cirstea, e confiança para seguir crescendo no circuito mundial.

Entrevista Parte I - Teliana joga favoritismo para a Suíça: 'A obrigação é delas'

Tênis News - Como foi pra você ganhar pela 1ª vez de uma top 30, batendo Sorana Cirstea em Charleston (na semana Cirstea era a 27 do ranking) ?
TP -
Foi sensacional porque, na verdade, já vinha jogando bem, já achava que podeira sair com a vitória, óbvio que é bem diferente você achar e ganhar, mas entrei em quadra tranquila, sabendo que tinha condições e fiz um jogo incrível. Essa vitória deixa mais confiante para enfrentar outras meninas. Sai de quadra mais confiante do que havia entrado.

TN – Como que as meninas estão olhando pra você no circuito agora ? Até o início do ano passado você era uma desconhecida, foi lá, fez semi m Bogotá, batendo a Alize Cornet (na época 36 do ranking) e agora volta fazendo semi no Rio de Janeiro e agora com esse bom resultado em Charleston batendo uma top 30. As meninas já te tratam com mais respeito ?
TP -
É importante você que está no meio e elas acabam comentando entre elas. Sinceramente no tênis feminino as tenistas não têm muito contato, mas espero que eu esteje com um pouquinho mais de moral.

TN – Você criou alguma amizade com essa turma que está mais acima no ranking ?
TP -
Não muito, mas entre as que estão lá em cima pois também não tenho muito contato. Meninas como a Ana Ivanovic que é muito simpática. Conheço há muito tempo a Yanina Wickmayer , que tenho um pouco mais de amizade.

No ano passado, em uma entrevista pouco depois do US Open onde ficou fora da chave principal por uma desistência e viu Maria Sharapova abandonar logo em seguida ao deadline, Teliana brincou e disse que daria uma rasteira da russa.

TN – E você já encontrou com a Sharapova em algum vestiário por aí (risos) ?
TP -
Já sim, mas ela nem sabe quem eu sou, então não dá nada (risos).

TN – No outro jogo depois da Sorana, contra a Hantuchova, você sentiu cansaço, mais a parte física ? O que houve para não conseguir um bom tênis ?
TP -
Não teve a ver com cansaço, tive um dia de descanso. Não joguei tão bem, tentei ser mais agressiva, algo que venho trabalhando no meu jogo, e acabei errando bastante, algo que não estou acostumada. Ela é uma baita jogadora e foi bem, colocando pressão do início ao fim, jogando pra frente e me incomodou bastante. Tive um pouquinho mais de chance no segundo set. É assim, consigo ganhar de tenistas que estão mais acima, mas anda preciso de mais jogos contra elas para poder ser constante.

TN – Você está se acostumando a enfrentar essas meninas mais fortes. Ganha de algumas, contra outras não consegue vencer.
TP -
Sim, este ano estou jogando mais WTAs e você acaba acostumando, pegando mais experiência. Há um ano atrás era tudo novidade, hoje não é mais. Acho que pode vir muita coisa boa por aí.

TN – E você desistiu na dupla alegando lesão em Bogotá. Algo sério ou precaução ? TP - Sequência de jogos né, estava com dores nas costas e na virilha ali depois do meu primeiro jogo em Bogotá e como tenho a Fed Cup que é bem importante pra minha carreira optei por me preservar, mas está tudo bem, já voltei a treinar.

TN – Depois da Fed você irá para os torneios na Europa e finalmente poderá jogar a chave principal de Roland Garros depois daquele quase do ano passado. Realizar um sonho disputar o torneio ?
TP -
Vai ser incrível jogar Roland Garros no saibro, piso que mais gosto, fiquei tão perto e agora estarei na chave.
banner
banner