X

Federer prega cautela sobre fim de ano e reforça desejo de jogar na Rio 2016

Domingo, 20 de outubro 2013 às 16:11:08 AMT

Link Curto:

Tênis Profissional
Roger Federer, número sete do mundo e que ainda batalha por sua vaga em Londres para disputar o ATP World Finals, reconheceu ter sido um erro jogar lesionado em três torneios este ano, em Indian Wells, Hamburgo e Gstaad. O tenista sofreu com dores nas costas.

"Não deveria ter feito isso, foram erros", admitiu o suíço em entrevista concedida neste domingo na Basileia, Suíça, onde estreia nesta segunda-feira às 14h30 contra o francês Adrian Mannarino.

Roger destacou que se sente fisica e mentalmente preparado para possíveis 15 jogos neste fim de ano. Além da Basileia ele joga Paris e se garantir vaga, o Finals de Londres. Mesmo assim ele não sabe se pode repetir 2011 quando venceu as três competições.

"Não sei se meu nível está tão forte para realizar isso agora".

"É uma vantagem jogar em casa. Estou aqui para jogar bem e me classificar para o ATP Finals, mas o foco é total neste torneio. Vou levar passo a passo, espero que vá bem".

Federer comentou mais sobre a demissão do técnico Paul Annacone, feita na semana passada, após três anos e meio de parceria

“Conversamos muito. Sempre é bom comunicar sobre seus sentimentos e foi isso o que fizemos depois da série de treinos em Dubai, Emirados Árabes. Estava indo bem, mas sentia que era melhor conversar sobre isso e ele sentia que era bom ter uma mudança e terminar. Tivemos ótimos três anos e meio. Tudo o que tenho que fazer é agradecer por todo o esforço dele. Continuamos amigos e nos falamos com frequência".

Federer aproveitou e descartou uma aposentadoria próxima e se disse confiante para estar na Olimpíada do Rio de Janeiro em 2016: "Joga a Olimpíada do Rio é algo que quero alcançar. Isso não significa que vou terminar minha carreira lá, antes ou depois. É só uma ideia".

"Enquanto meu corpo e minha cabeça estiverem preparados para viajar, eu estiver feliz com o que estou fazendo, serem bem sucedido. N~]ao mudou nada nos últimos seis meses".
banner
banner