X
banner

Janeiro/Fevereiro - Djokovic se consagra no jogo do ano

Quarta, 19 de dezembro 2012 às 10:26:58 AMT

Link Curto:

Tênis Profissional
Por Daniel Lacerda - Nenhum fato foi mais marcante nos dois primeiros meses do que a épica final do Aberto da Austrália entre Novak Djokovic e Rafael Nadal. Em quase seis horas de partida, Djoko ergueu seu terceiro troféu em Melbourne e se consolidou.

O sérvio passou a ser um grande nome do tênis na atualidade. Confira a retrospectiva de janeiro e fevereiro!

O grande fato dos dois primeiros meses de 2012 foi a disputa acirradíssima no Aberto da Austrália. Na chave masculina, a tendência de domínio dos quatro melhores do mundo se confirmou. Nas semifinais do torneio, Novak Djokovic enfrentou Andy Murray e Rafael Nadal encarou Roger Federer.

No confronto entre Djoko e Murray, um duelo de tirar o fôlego, que terminou com uma vitória em cinco sets para o número 1 do mundo. O sérvio anotou 6/3, 3/6, 6/7, 6/1 e 7/5 e avançou à decisão. No outro lado da chave, Federer saiu na frente, mas novamente parou em Rafa em um Grand Slam. Vitória do espanhol por 6/7 6/2 7/6 6/4.

Os dois primeiros do ranking tinham encontro marcado na decisão do Aberto da Austrália. No ano anterior, o sérvio havia levado a melhor em todos os confrontos. Nadal estava com o rival entalado na garganta. Quem esperava por um jogão não se decepcionou. A história do tênis foi escrita nesta final, a mais longa de todos os tempos.

Em 5h53min de uma batalha espetacular, Djokovic novamente levou a melhor sobre Nadal, em parciais de 5/7 6/4 6/2 6/7 7/5. O sérvio conquistou seu terceiro título no Aberto da Austrália, o segundo consecutivo. De quebra, levou seu terceiro Grand Slam em sequência, já que havia levado a taça em Wimbledon e no US Open de 2011.

Na chave feminina, Victoria Azarenka finalmente pôde comemorar seu primeiro título de Grand Slam. A bielorrussa perdeu apenas dois sets durante a competição – para Radwanska nas quartas e para Clijsters na semi – e aplicou pneu em quatro partidas, inclusive na decisão diante da russa Maria Sharapova. Com muita facilidade, Vika anotou 6/3 e 6/0 na rival e não deixou dúvidas de que finalmente daria o salto na carreira que sempre se esperava dela.

Nos dois primeiros meses, Azarenka estabeleceu enorme domínio no circuito. Ela ainda conquistou mais dois troféus. Em Sydney, ela derrotou a chinesa Na Li na final. Em Doha, a vítima na decisão foi Samantha Stosur. Nenhuma das outras duas tenistas que também dominaram a temporada levou título. Maria Sharapova e Serena Williams saíram zeradas do primeiro bimestre.

No circuito masculino, outro destaque do período foi o Brasil Open. Na competição, Bruno Soares ficou com o título nas duplas ao lado do americano Eric Butorac. Na decisão, a parceria derrotou André Sá e Michal Mertinak por 3/6 6/4 10/8. Na chave de simples, Thomaz Bellucci foi à semifinal, mas parou em Filippo Volandri, da Itália. Na final, Nicolás Almagro levou a melhor sobre o italiano e venceu por 2 sets a 1, com parciais de 6/3 4/6 6/4.

Ainda nos dois primeiros meses, Federer ficou com os títulos em Roterdã e em Dubai. No torneio holandês, ele derrotou Juan Martin Del Potro na final por 6/1 e 6/4. Em Dubai, a vítima foi Andy Murray, que caiu por 7/5 e 6/4. O britânico levantou um troféu no período, em Brisbane, ao derrotar Alexandr Dolgopolov por 6/1 e 6/3.

Para completar, em fevereiro aconteceu a primeira rodada da Copa Davis. No Grupo Mundial, o grande resultado foi a vitória dos Estados Unidos sobre a Suíça, fora de casa, por 5 a 0. Herói da disputa, John Isner venceu Roger Federer e deu um ponto improvável para a equipe. Mardy Fish também não fez por menos e derrotou Stanislas Wawrinka. Nas duplas, os Irmãos Bryan superaram Federer e Wawrinka e garantiram a vaga norte-americana.

Ainda na primeira fase, a Espanha, sem Nadal, passou pelo Cazaquistão por 5 a 0, a Argentina, sem Del Potro, fez 4 a 1 na Alemanha , a Sérvia, sem Djokovic, passou pela Suécia por 4 a 1 e a República Tcheca, que acabou campeã, estreou com 4 a 1 sobre a Itália.

Campeões do período

Masculino

Brisbane: Andy Murray (GBR)
Chennai: Milos Raonic (CAN)
Doha: Jo-Wilfried Tsonga (FRA)
Sydney: Jarkko Nieminen (FIN)
Auckland: David Ferrer (ESP)
Australian Open: Novak Djokovic (SRB)
Montpellier: Tomas Berdych (CZE)
Zagreb: Mikhail Youzhny (RUS)
Viña del Mar: Juan Monaco (ARG)
Roterdã: Roger Federer (SUI)
San Jose: Milos Raonic (CAN)
São Paulo: Nicolas Almagro (ESP)
Memphis: Jurgen Melzer (AUT)
Marselha: Juan Martin Del Potro (ARG)
Buenos Aires: David Ferrer (ESP)
Dubai: Roger Federer (SUI)
Acapulco: David Ferrer (ESP)
Delray Beach: Kevin Anderson (RSA)

Feminino

Brisbane: Kaia Kanepi (EST)
Auckland: Jie Zheng (CHN)
Sydney: Victoria Azarenka (BLR)
Hobart: Mona Barthel (ALE)
Australian Open: Victoria Azarenka (BLR)
Paris: Angelique Kerber (ALE)
Pattaya City: Daniela Hantuchova (SVQ)
Doha: Victoria Azarenka (BLR)
Bogotá: Lara Arruabarrena Vecino (ESP)
Dubai: Agnieszka Radwanska (POL)
Memphis: Sofia Arvidsson (SUE)
Monterrey: Timea Babos (HUN)
Acapulco: Sara Errani (ITA)
Kuala Lumpur: Su-wei Hsieh (TWN)
banner
banner