X
banner

Guga debocha de Moya: 'Muso? Ele tá acabadinho'

Quarta, 16 de novembro 2011 às 19:48:03 AMT

Link Curto:

Tênis Profissional
A entrevista coletiva do Rio Champions foi marcada por provocações sadias entre os jogadores. O destaque foi para Guga, que não poupou o amigo Carlos Moya quando perguntado sobre a fama de muso do espanhol. Quem também aproveitou a farra foi Fernando Meligeni.

Fininho inaugurou a brincadeira geral lembrando quem manda no Rio Champions: “Até as 18h de amanhã eu sou o campeão. Nico (Nicolas Lapentti) é um excelente jogador. Mas, se ele bobear, passo por cima para pegar o gigantão (Goran Ivanisevic) na sexta”, disse Meligeni, lembrando que sempre fez “jogos duríssimos” contra o equatoriano.

Depois foi a vez de Gustavo Kuerten provocar risada geral na coletiva, quando um repórter, que fazia uma matéria sobre Carlos Moya perguntou ao brasileiro o que ele achava do espanhol como jogador e como muso do tênis. Guga então riu e contestou: 'Muso? O Moya hoje tá meio acabadinho". Depois ele mudou o alvo: "Acho que quem tem que responder sobre beleza é o Meligeni". E ainda riu de si mesmo: "Na época que jogavamos eu era a única exceção à regra dos musos".

Em seguida, ao ser perguntado sobre a expectativa para o desafio com o espanhol Alex Corretja, Guga foi direto: “Espero que o resultado seja o mesmo de dez anos atrás”, brincou, lembrando a vitória que deu o tricampeonato de Roland Garros em 2001. “A ideia aqui é poder fazer bons espetáculos para o público. Quem viu aquela final quer relembrar alguns bons momentos. Quem não pôde assistir, como as crianças que nem tinham nascido naquela época, é uma oportunidade única”, analisou Guga.

Guga disse não ser nostálgico, mas afirmou que gosta de matar a saudade dos tempos de tenista profissional participando de jogos como este. “O último ponto de Roland Garros em 2001 ficou marcado. Pude saborear uma final de Grand Slam na plenitude. O Alex (Corretja) errou uma bola quando estava 5 a 5. Se tivesse entrado, eu só seria bi e ele campeão naquele ano”, lembrou.

Corretja reagiu com bom humor às provocações de Guga. “Há 10 anos estou esperando por este sábado”, rebateu. “A cada ano o Rio Champions fica mais forte e com grandes atrações”.

O croata Goran Ivanisevic comemorou a chance de jogar no Brasil pela primeira vez. “Estou muito feliz de poder participar desta festa do tênis mundial e espero poder voltar ao Brasil para outros eventos”, disse o campeão de Wimbledon em 2001.

Carlos Moyá opinou sobre a tradição de seu país na revelação de novos tenistas. “No meu país, os meninos não querem apenas jogar futebol. Gostam de outros esportes e o tênis é muito praticado. Além disso, há torneios nas divisões de base e bons treinadores. Ninguém precisa sair do país. Por isso, há 25 anos estamos disputando os torneios de Grand Slam”, frisou Moyá, ressaltando que o Brasil precisa de “novos Gugas e Meligenis”.

O equatoriano Nicolas Lapentti lembrou os confrontos com Fernando Meligeni, seu adversário desta quinta-feira. “Enfrentar o Fininho sempre traz boas lembranças. Além disso, este torneio é uma celebração de grandes amigos cuja motivação é sempre vencer”, finalizou.
banner
banner