X

Safin: 'Rio pesou a favor para voltar a jogar tênis'

Terça, 09 de março 2010 às 15:33:44 AMT

Link Curto:

Tênis Profissional
O russo Marat Safin, ex-número 1 do mundo e recém aposentado do circuito profissional, escolheu o Rio de Janeiro como cenário para sua primeira competição oficial como “veterano” do tênis.

Apenas quatro meses após deixar os torneios da ATP, Safin não resistiu à oportunidade de disputar a etapa de abertura do Champions Series, o mais competitivo circuito mundial de campeões na cidade-sede dos Jogos Olímpicos de 2016 e aceitou o convite para participar do Banco Cruzeiro do Sul Rio Champions, que acontece no Maracanãzinho, entre os dias 12 e 14 deste mês. Os ingressos estão à venda em www.ingressomais.com.br.

A desgastante rotina de viagens e jogos do circuito mundial tem feito com que tenistas cada vez mais jovens optem por deixar os torneios profissionais – caso de Mark Philippoussis, apenas quatro anos mais velho que Safin, também na briga pelo título no Rio. O ambiente descontraído de competições como o Branco Cruzeiro do Sul Rio Champions atrai os tenistas que querem manter acesa a paixão pelo tênis, sem ter que enfrentar a intensa demanda do circuito profissional. Foi no Champions Series que Andre Agassi e Pete Sampras, por exemplo, também jogaram suas primeiras partidas depois de terem deixado as quadras da ATP.

“Cada tenista toma a decisão de se aposentar e voltar a jogar num outro tipo de ambiente por um motivo particular, é algo muito individual. No meu caso, pesou muito o fato de a competição ser disputada no Rio, um lugar onde sempre quis jogar e nunca tive a oportunidade enquanto profissional”, diz Safin.

O russo não vê uma disparidade tão grande entre tenistas que deixaram o circuito há pouco tempo e grandes ex-campeões que já são figurinhas carimbadas do Champions Series, como Jim Courier e Mats Wilander, outros dois ex-números um do mundo que integram o time de astros do evento.

“É claro que os jogadores mais jovens, que acabaram de se aposentar, levam alguma vantagem na parte física. Mas, por outro lado, os tenistas mais experientes vem jogando esse tipo de torneio há mais tempo e sabem exatamente o que esperar, sabem como jogar esse tipo de competição da melhor maneira”, aposta.

Conhecido pelo temperamento forte em quadra, Safin atraiu a atenção do mundo do tênis logo no início de sua carreira. Eleito o “novato do ano” pela ATP em 1998 e o “jogador que mais evoluiu” em 2000, o russo confirmou as expectativas e chegou ao posto de número 1 do ranking em 2000. Foi campeão do US Open naquele ano, diante de ninguém menos que o americano Pete Sampras, e do Australian Open em 2005. Dono de 15 títulos em torneios de simples, Safin ainda levou a equipe da Rússia à sua primeira vitória na Copa Davis, em 2002, repetindo a dose em 2006. No início dos anos 2000, foi um dos grandes rivais do brasileiro Gustavo Kuerten no circuito mundial, protagonizando duelos memoráveis com oo tricampeão de Roland Garros.

Safin se empolga com a possibilidade de reencontrar antigos adversários e enfrentar pela primeira vez tenistas contra os quais não teve a oportunidade de jogar. Além de Philippoussis, seu contemporâneo no circuito mundial, Courier e Wilander, o russo estará ao lado de Cedric Pioline, Wayne Ferreira, Mikael Pernfors e do brasileiro Fernando Meligeni no Banco Cruzeiro do Sul Rio Champions.

“Para mim é não apenas uma oportunidade de jogar contra alguns tenistas que não enfrento há muito tempo, mas também uma chance incrível de reencontrar grandes amigos como o Mark”, diz Safin.

Safin desembarca na capital carioca, na quinta-feira e às 15h, junto a Meligeni, Philippoussis, Courier, Wilander, Pioline, Ferreira e Pernfors, concede entrevista coletiva, no Maracanãzinho.
banner
banner