X

A Coroa na Austrália é de Roger Federer

Domingo, 29 de janeiro 2006 às 07:38:41 AMT

Link Curto:

Federer - Austrália IV
Mais um Grand Slam no currículo de Roger Federer. Neste domingo ele conquistou seu sétimo troféu neste tipo de torneio ao derrotar a zebra cipriota, Marcos Baghdatis, apenas o número 54 do mundo, em quatro sets: 5/7 7/5 6/2 6/0. Esta foi também a segunda conquista do suíço no Australian Open — havia ganho também em 2004 —, seu terceiro Grand Slam consecutivo, 35º título na carreira, sendo 23 conquistados no piso duro.


O número um do mundo somará 550 pontos no ranking de entradas (1000 pela conquista, descontados 450 das semi em 2005), ultrapassando a barreira dos 7 mil pontos. Ele também vai disparar na liderança do ranking da Corrida dos Campeões e embolsar um cheque de cerca de 1 milhão de dólares em premiação.

A campanha do suíço em Melbourne foi arrasadora nas três primeiras rodadas, vencendo todos os jogos sem perder sets — Denis Istomin (UZB), Florian Mayer (ALE) e Max Mirnyi (BLR). Nas fases seguintes, o tenista nascido na cidade de Berna, teve muitas dificuldades, alternou bons e maus momentos, mas derrotou Tommy Haas (ALE) em cinco sets, Nikolay Davydenko (RUS), Nicolas Kiefer (ALE) e agora Marcos Baghdatis (CYP) em quatro sets.

Para Baghdatis, a zebra, a participação lhe renderá 700 pontos no ranking de entradas e uma escalada de pouco menos de 30 posições no ranking (deve aparecer em 27º). Ele ganha um cheque de cerca de 600 mil dólares.

Marcos foi o quinto tenista não cabeça de chave a chegar na decisão do Aberto da Austrália. E rodada a rodada foi derrubando favoritos, como Radek Stepanek (2ª fase) e na sequencia a partir das oitavas: Andy Roddick (EUA), Ivan Ljubicic (CRO) e David Nalbandian (ARG), algoz de Federer na Masters Cup Shanghai 2005.

Todavia na decisão da manhã deste domingo, o cipriota assustou muito o adversário somente nos dois primeiros sets. Marcos começou o jogo voando baixo e jogando como legítimo franco-atirador venceu o primeiro set e por pouco não conquistou o segundo. Mas essa derrota na segunda parcial, aliada ao cansaço e a subida de produção do melhor do mundo derrubaram todo o ímpeto e sede de vitória do jovem tenista da pequena ilha do Chipre, na Europa. Sequer a grande torcida que pulou e vibrou com os pontos do tenista, foi capaz de levar a moral de Baghdatis.

O primeiro set foi muito disputado do início ao fim com ambos jogadores batendo firme na bola e sacando muito bem. O cipriota, número 54 do mundo, conquistou uma quebra no quinto game, mas levou o troco na sequencia. No 11º game, Federer errou e Baghdatis cravou bons serviços para fechar a parcial e abrir vantagem na partida.

No segundo set, Baghdatis, embalado, começou bem quebrando o serviço do melhor do mundo e barindo 2/0. Ele ainda teve 3 chances de quebra no game seguinte, mas Federer salvou e devolveu a quebra na seuquência. A partir daí o equilíbrio foi a tônica do jogo. O nível de partida caiu um pouco, ambos passaram a cometer mais erros. Baghdatis sacou para levar o set ao tie-break, abriu 40/0, mas permitiu a reação de Federer. Numa bola duvidosa, o árbitro francês Pascal Maria deu como fora o forehand do cipriota e encerrou o set em 7/5 para Federer.

A terceira parcial foi decidida no último ponto do segundo set. Baghdatis baixou a cabeça, perdeu o foco e concentração e viu o adversário crescer muito. Federer mostrou todo seu repertório de golpes e com rapidez quebrou três vezes e sequer deixou o cipriota marcar um game: 6/0.

No quarto set, Federer manteve-se no ritmo e logo abiru 2/0. Baghdatis sentiu cãimbras, pediu atendimento médico e durante o set não conseguia mais pressionar o serviço do suíço como fez nos dois primeiros sets. O cipriota teve apenas uma chance de quebra no sétimo game, mas o número um salvou e na sequencia quebrou novamente e comemorou o título: 6/2.
banner
banner