X
banner

Perfil Abril: Ivan Ljubicic

Sábado, 02 de abril 2005 às 12:00:00 AMT

Link Curto:

Croacia Davis III

Nascimento: 19/03/1979
Cidade Natal: Banja Luka, Bósnia
Residência: Monte Carlo
Empunhadura: Destro
Altura: 1,93m
Peso: 82Kg
Ano de Profissionalização: 1998
Melhor ranking: 13º, 07/03/05
Títulos: 3, Lyon 2001, Metz e Viena 2005


Destaque do mês de março ao conduzir a Croácia às quartas de final da Copa Davis, vencendo os americanos na Califórnia, Ivan Ljubicic mostra uma grande evolução neste início de temporada. Com 4 finais disputadas nesta temporada, o croata aparece na 5ª colocação na Corrida dos Campeões.

O croata começou a jogar tênis com 9 anos. Era filho de um eletricista e de uma dona de casa. Aos 13 anos fugiu da Bósnia e foi morar na Itália. Seu principal resultado como juvenil foi a final de simples em Wimbledon em 1996, quando foi derrotado pelo bielorrusso Vladimir Voltchkov. Seu treinador é o italiano Ricardo Piatti desde 1997.

A primeira partida de Ljubicic como profissional ocorreu em 1996, no Challenger de Zagreb. Na ocasião ele foi derrotado pelo armênio Sargis Sargsian na estréia por duplo 6/4. Sua primeira vitória porém não tardou. Já no seu segundo torneio, o de Umag,que era International Series, ele venceu o espanhol Tomas Carbonell por 6/3 e abandono. Parou na segunda fase diante de Guga, perdendo por 6/2 e 6/1.

Em 1997 ele conquistou seu primeiro resultado expressivo. No Challenger de Zagreb, disputado no saibro, ele foi finalista, tendo sido derrotado pelo espanhol Alberto Berasategui por 6/1 e 6/2. Durante a campanha, na semifinal, ele derrotou Jaime Oncins por 6/2 e 7/6. No decorrer da temporada, porém, ele apenas venceu mais uma partida.

Em 1998, ano de sua profissionalização, estreou na Copa Davis diante da Finlândia fora de casa e perdeu os 3 jogos que disputou. Já em seu segundo confronto pela Davis, fora de casa diante da Noruega, se redimiu e venceu seus 3 confrontos. Não obteve grandes resultados nesta temporada, tendo terminado como 298 do mundo.

Em 1999, logo em seu terceiro torneio, conquistou um future no saibro de Zagreb. Na final, bateu o búlgaro Ivaylo Traykov por 6/3, 6/7 e 6/2. Logo em seguida faturou outro future no saibro de Zagreb, dessa vez derrotando o italiano Igor Gaudi na decisão, parciais de 7/6 e 6/2. Mantendo a ótima forma, faturou outro título na seqüência: o Challenger de Besancon. Venceu na final o francês Lionel Roux.por 6/4 e 6/2. 1999 também marcou a estréia de Ljubicic em Masters Series. Em Monte Carlo ele surpreendentemente bateu o ucraniano Andrei Medvedev e o russo Yevgeny Kafelnikov, então número 3 do mundo. Parou diante de Felix Mantilla nas oitavas. Outro resultado expressivo desta temporada foi a semifinal do ATP de Umag, quando foi derrotado pelo sueco Magnus Norman. Além disso tudo, Ljubicic estreou em torneios de Grand Slam, passando pelo americano Jeff Morrison e perdendo para o holandês John van Lottum. Terminou a temporada como número 81 e entrou definitivamente no circuito mundial.

O ano 2000 foi de estabilização para ele que conseguiu alcançar 2 semifinais. Em Sydney perdeu para o australiano Jason Stoltenberg e em Bastad foi superado por Magnus Norman. Sua evolução só não foi maior pois não venceu uma partida sequer nos torneios de Grand Slam. Disputou ainda as Olimpíadas de Sydney. Venceu 2 partidas, mas foi derrotado por Guga na terceira rodada por 7/6 e 6/3. Terminou o ano como número 77.

Em 2001 Ljubicic conseguiu seu primeiro título, venceu pela primeira vez um número 1 do ranking e conseguiu outras boas vitórias. Durante a temporada derrotou Guga, então número 1 do mundo em Lyon na primeira rodada e partiu para a conquista de seu primeiro e único título na carreira, derrotando mais tarde Marat Safin e vencendo o marroquino Younes El Aynaoui na final. Porém a temporada mais uma vez foi prejudicada pelo fraco desempenho em Grand Slams. No Aberto da Austrália, em Roland Garros e em Wimbledon caiu na estréia e no US Open perdeu na segunda rodada. Terminou como 40 do mundo.

A temporada de 2002 de Ivan Ljubicic não registrou grandes resultados. Seu melhor desempenho foram as semifinais em Roterdã e Gstaad. Nos Grand Slams melhorou um pouco, tendo chegado à terceira rodada na Austrália, seu melhor resultado até então. Mas o seu ranking no final caiu e ele fechou a temporada como número 48.

O ano de 2003 mostrou que Ljubicic parecia um jogador condenado ao top 50. Mais uma vez seus melhores desempenhos foram semifinais: Milão, Dubai, Bangkok e Basel. Nos Grand Slams não superou a terceira rodada, resultado que alcançou em Roland Garros. Porém seu melhor momento foi no Masters Series de Roma, em que chegou às quartas de final. Derrotou o argentino Guillermo Coria nas oitavas, mas foi derrotado por Felix Mantilla em seguida. Terminou como 44º.

A grande evolução dele no circuito só veio a acontecer em 2004. No início da temporada foi finalista em Doha, perdendo para o francês Nicolas Escudé na final. Conseguiu alcançar ainda 2 semifinais de Masters Series: em Hamburgo perdeu para Guillermo Coria e em Madrid para David Nalbandian. Disputou ainda os Jogos Olímpicos de Atenas, conquistando o bronze na chave de duplas ao lado de Lovro Zovko. Já em simples mais uma vez foi derrotado nas oitavas, desta vez para o americano Taylor Dent. Nos Grand Slams, no entanto, decepcionou mais uma vez. Seus melhores resultados foram a segunda rodada na Austrália e em Roland Garros. Na Austrália, inclusive, foi derrotado por Guga, que pela primeira vez passava desta fase em Melbourne. Sua colocação no ranking, porém, não deixava dúvidas de sua evolução: terminou como o número 22.

Mas foi em 2005 que ele realmente mostrou suas garras. Além da espetacular atuação na Copa Davis, onde venceu Agassi em 3 sets na sexta-feira, ao lado de Mario Ancic bateu os irmãos Bryan nas duplas no sábado e no domingo garantiu a vitória de sua equipe com excelente vitória sobre Andy Roddick. Pelo circuito conseguiu ótimo resultado já em seu primeiro torneio: foi finalista em Doha, perdendo para Roger Federer. Foi finalista também em Marselha, onde perdeu para Joachim Johansson, Roterdã e Dubai, perdendo nas duas para Federer. Foi ainda semifinalista em Milão. A única decepção foi mais uma vez no Grand Slam. Na Austrália não passou da segunda rodada, em que perdeu para o cipriota Marcos Baghdatis.

Ivan Ljubicic parece evoluir para se tornar um top 10 em breve. Para isso precisa conquistar outros títulos e, principalmente, conseguir bons resultados nos torneios de Grand Slam.
banner
banner