X

Moya: 'Quanto menos pensar em Kyrgios melhor para Nadal'

Domingo, 26 de janeiro 2020 às 10:22:54 AMT

Link Curto:

Tênis Profissional

Treinador de Rafael Nadal e ex-número 1 do mundo, Carlos Moya concedeu entrevista ao jornal Marca, da Espanha, e comentou sobre a primeira semana do tenista no Australian Open e seu duelo desta segunda-feira contra o australano nick Kyrgios



"Quando menos horas passar em quadra é sempre melhor. Nos últimos anos, Rafa e eu estamos incidindo muito neste aspecto. Ele mesmo dá muita importância menos horas possíveis competindo. Vemos como está o Kyrgios, é jovem e uma incógnita até que ponto poderá se recuperar do desgaste que teve de seus problemas físicos", disse Moya.

Nadal perdeu três dos sete jogos que fez contra Kyrgios e Moya detalhou o plano de jogo: "Rafa deve se manter concentrado e esquecer de Kyrgios. É chave que seu saque funcione como fez contra Federico Delbonis e Pablo Carreño. Poderá jogar com mais tranquilidade no resto. Também deve estar fino quando tiver oportunidade de quebrar o saque. Temos a referência do duelo em Acapulco (ano passado) quando Nadal esteve melhor, mas só converteu um break-point em dez enquanto que Nick, sem ter nenhuma, venceu o jogo. São jogos que se decidem por apenas três pontos, te obrigam a estar atento".

Moya afirmou ainda que seu pupilo deve ficar longe do show que Kyrgios costuma proporcionar: "Ele é o tenista que vem acima nesse tipo de encontro. Joga em casa, quadra central e diante de um grande tenista. Podemos ver seu histórico. Rafa deve se esquecer disso, do que acontecer nos pontos e depois deles. Mas o ambiente não me preocupa pois Rafa está mais que habituado a algo assim. Será uma partida mais como se fosse Copa Davis do que Grand Slam, mas Rafa é muito querido na Austrália e é um público muito educado".

Moya também comentou os desempenhos do jogador até aqui: "Em poucos Grand Slams jogou bem desde o primeiro dia. Assim é a grandeza desta classe de tenistas, sem jogar o melhor podem ir avançando. Deve jogar o melhor em oito, nove jogos no ano".

 

 

banner
banner