X


Argentino relata denuncia de máfia dos resultados que puniu três compatriotas

-->
Segunda, 11 de fevereiro 2019 às 16:05:00 AMT

Link Curto:

Tênis Profissional

O argentino Marco Trungelliti ganhou destaque no noticiário internacional de tênis, na última edição de Roland Garros, quando viajou 1000 km entre Barcelona e Paris, para entrar jogar como lucky-loser e agora põe a cara para falar da máfia de apostas;



Em reportagem de duas páginas inteiras da edição deste domingo do jornal argentino La Nación, Trungelliti deu detalhes da forma como foi abordado pela conhecida Máfia das Apostas, que compra e coage tenistas de todo o mundo, a maioria que competem no circuito Challenger e ITF, como é o caso de Trungelitti.

O tenista, atualmente com 29 anos, contou ao jornal que em 2015 foi abordado por uma organização que lhe prometeu ganhos de até US$ 100 mil por partida, dentro do esquema de combinação de resultados. Ao tenista foi dado o nome de outros oito tenistas profissionais, argentinos e de outras nacionalidades, que fariam parte do esquema e com quem ele poderia confirmar a veracidade do esquema e dos ganhos.

Trungelliti contou que mesmo ciente de que seu nível de tênis não o elevaria à categoria de poder faturar tanto com jogos do modo tradicional, optou por seguir o manual de conduta dos atletas e fez uma denuncia à Unidade de Integridade de Tênis (TIU). À denuncia, Trungelliti anexou o número de telefone que o abordou e este mesmo número levou o TIU a chegar nos nomes de seus compatriotas: Federico Coria, Nicolas Kicker e Patricio Heras. Após esta onda de punições, o tenista relata que que passou a ser desprezado, importunado e tratado com desrespeito.

"Desde que eu pude contar minha verdade, sinto-me mais leve. Me aventurei. Vinha conversando com meu psicologo [Juan José Grande, o mesmo de Juan Martín del Potro]. Mas ainda sim, é claro que não é a mesma coisa que estar em casa.A minha concentração durou apenas 25 minutos contra [Alessandro] Giannessi", confessou o argentino.

"Tinha pensado ir jogar o quali do Rio de Janeiro, mas n]ao vale a pena. Ainda não pude mudar  o chip da minha cabeça. Preciso ir pra casa, respirar um pouco o clima da montanha. Estou certo que agora irei dormir e em paz", confessou.

Trungelliti fez questão de ressaltar à reportagem que em momento algum entregou os nomes dos jogadores, apenas fez a denuncia do contato e entregou o telefone que o abordou. "Não sou dedo duro. Não me vendi para ninguém. Só falei de mim", destacou. 

Vale ressaltar que as regras do tênis punem o atleta que for contactado para este tipo de corrupção, mesmo que não participe, desde que não faça uma denuncia para alertar as autoridades competentes. Foi por não denunciar um contato desta espécie, que Federico Coria foi punido pelo TIU.